Torcedor gremista se revolta com tratamento recebido no Gre-Nal 408

Crédito Foto: Mauricio Lopes

Mais uma vez em um clássico Gre-Nal, a logística para a torcida visitante deixou a desejar. E de ambas as partes. Por um lado, membros da torcida gremista que se deslocava ao Beira-Rio danificaram alguns ônibus e foram proibidos de levar instrumentos ao estádio. Do outro, o descaso das autoridades, que juntou dezenas de torcedores em um coletivo sem ar refrigerado e não cumpriu com o seu papel no trajeto.

MAIS NOTÍCIAS:

No último título gremista, jogador do Grêmio também levantou caixão colorado; relembre

Ex-colorado poderá ser decisivo na classificação do Inter à Libertadores

Para o gremista Carlos Eduardo Bittencourt Teixeira, sócio desde 2005, até a derrota em campo por 1×0, gol de Vitinho, ficou em segundo plano. Segundo o torcedor, o tratamento oferecido por parte da Brigada Militar e o desinteresse do Grêmio em amparar os seus próprios sócios foram muito piores do que o resultado negativo.

“Fora de campo, o Grêmio aceitou um lugar absolutamente inapropriado para receber os seus sócios, na “cracolândia” de Porto Alegre, a rua Voluntários da Pátria. O Grêmio segue tendo dois estádios na cidade que poderiam perfeitamente receber os torcedores em condições melhores antes de ir ao Beira-Rio”, escreveu o torcedor, em texto postado no blog Grêmio do Prata

Em uma reunião realizada entre Ministério Público, Brigada Militar e dirigentes do Grêmio na semana que antecedeu o clássico, ficou definido que a saída dos torcedores gremistas para o estádio do Inter se daria em frente ao prédio da Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP-RS). A ausência de representantes oficiais do tricolor gaúcho durante o trajeto revoltou Teixeira.

“A direção do Grêmio, inexplicavelmente, há anos tem deixado de lado o seu sócio e seu torcedor. Mesmo que todos os esforços tivessem sido feitos, e não foram, para impedir as determinações do MP e BM, o Grêmio como instituição deveria fiscalizar e acompanhar seus sócios durante a chegada na SSP, durante a organização dos ônibus, durante todo o percurso e a chegada ao estádio. Nenhum representante do Grêmio estava lá quando precisamos”, salientou, antes de lamentar as condições oferecidas por um ônibus de linha com “70 pessoas dentro”.

Crédito Foto: Mauricio Lopes



Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Dupla Gre-Nal.