Acorda, São Paulo! Veja motivos para Lugano retornar em 2016

Crédito da foto: Divulgação/site oficial do São Paulo

A temporada de 2016 promete ser diferente no Morumbi. Após um ano de altos e baixos dentro e fora das quatro linhas, a equipe deve iniciar 2016 totalmente reformulada. Rogério Ceni se aposentou. Pato e Luis Fabiano saíram do clube. Michel Bastos e Ganso não são certeza de que ficam no clube. Sem dinheiro para fazer grandes investimentos, o São Paulo deve se virar para os meninos de Cotia, ou seja, apostar num time de pratas da casa e bem econômico.

Entretando, o futebol também exige maturidade e experiência. Estas duas últimas não me parece que os jogadores da categoria de base do clube possuem atualmente. Com a iminente aposentadoria de seu goleiro e capitão, o São Paulo ficará sem seu maior líder em todos os tempos. Justo no momento que o clube precisará de um capitão.

A vinda do uruguaio Diego Lugano, campeão Paulista, da Libertadores e do Mundo pelo São Paulo, em 2005, na opinião deste colunista, poderia solucionar este problema pelo qual o clube passará em 2016. Por isso, eu selecionei a você sete motivos que pesam a favor da volta de Diego Lugano ao São Paulo em 2016. E você confere a seguir:

1) Amor à camisa: Lugano é o tipo de jogador que por onde passa, joga pelo amor à camisa. Líder nato, o uruguaio não gosta de perder nem em jogo-treino tamanha é sua dedicação no trabalho. E dedicação é um dos ingredientes que faltou nos jogadores do São Paulo em 2015.

2) Experiência: capitão das equipes por onde passou, dispensa comentários a experiência que possui o uruguaio. Em 2016, o São Paulo deve ter um time mais barato, formado por muitos garotos de Cotia, e que precisarão de um líder em que se espelhar.

3) Transição com a categoria de base: Lucão e Lyanco são jovens zagueiros, mas que ainda alternam bons e maus momentos. A vinda do uruguaio poderia trazer muitos benefícios aos dois garotos, que aprenderiam muito sobre como um zagueiro deve se portar em campo. Além disso, com 34 anos e perto do fim da carreira, o uruguaio poderia fazer a transição com os jovens.

4) Efeito Kaká: quando voltou ao clube no ano de 2014, Kaká foi um exemplo de profissional no clube. Dedicado, corria mais que todos os jogadores nas partidas, mesmo que sua condição técnica não tenha sido privilegiada. Sua dedicação cativou o elenco, que passou a jogar muita bola terminando, assim, com a vice-liderança do Campeonato Brasileiro. Com o Lugano, o efeito poderia ser semelhante em cima da molecada.

5) Marketing: atualmente o São Paulo passa por inúmeros problemas financeiros. Sua dívida bancária é de quase 300 milhões, mais da metade com os bancos. E a volta do Lugano poderia propocionar ao clube um salto no programa de Sócio Torcedor, além de proporcionar maior venda de camisas com o número e nome do uruguaio.

6) Farda de capitão: ao final de 2015, Rogério Ceni irá pendurar as luvas. O maior líder da história do São Paulo sairá justo no momento que o clube mais precisará de um líder em campo, por conta da bagunça política a qual atravessa (deixo claro que o goleiro não tem culpa alguma, pois já havia acertado que se aposentaria ao final deste ano). E o uruguaio, ídolo da torcida, poderia exercer esse papel tranquilamente. Vale lembrar que o time não possui ninguém em seu elenco com espírito de liderança.

7) Condição física: muito se fala que o zagueiro não tem mais a condição física que tinha há dez anos atrás. Eu concordo, porém Lugano continua fazendo a diferença, tecnicamente. Desde sua chegada no Cerro Portenho, por exemplo, a equipe diminiu pela metade o número de gols tomados no campeonato nacional.

Segundo informações do Jornal Lance, o Cerro terminou o Torneio Apertura como líder com 52 pontos em 22 partidas. A campanha contou com 16 vitórias, quatro empates e duas derrotas, além de 41 gols marcados e 19 sofridos (média de 0,86 por partida). Já no Clausura, a média geral é de 0,54, com nove tentos sofridos em 16 partidas. Se forem consideradas apenas as nove partida disputadas por Lugano, a queda é ainda maior: 0,44 de média. “El Ciclón” também lidera o segundo turno com 35 pontos, 11 vitórias, dois empates, três derrotas e 21 gols marcados.

8) Copa Libertadores: em fevereiro o São Paulo dá início a sua 18ª participação em Copa Libertadores. E para não fazer feio na competição continental, é necessário que o time tenha referências. E o Lugano seria uma dessas. O uruguaio é o tipo de jogador que “não pipoca” pro adversário e que poderia agregar muito nas partidas, principalmente na questão da comunicação com jogadores adversários e árbitros.

E você torcedor, o que acha da volta do uruguaio Diego Lugano em 2016?

Foto: Divulgação/site oficial do São Paulo



Jornalista. Cervejeiro e Tricampeão Mundial. Fã da série Supernatural e de quem não se mete na vida alheia.