Árbitro brasileiro do UFC conta qual foi a melhor luta que ele arbitrou

Reprodução/ Facebook oficial Mário Yamasaki

Você pode não perceber, mas, ele está lá no octógono. Não é protagonista, mas tem a responsabilidade de iniciar o combate com a célebre frase “Pronto? Pronto? Lutem!”. Esse é Mário Yamasaki, árbitro brasileiro do UFC.

LEIA MAIS:
UFC 194: reação de um dos técnicos de José Aldo em nocaute é de impressionar; assista

Nós do Torcedores.com fizemos uma entrevista com o árbitro brasileiro do UFC. Confira logo abaixo:

Torcedores: Como iniciou nas artes marciais e atualmente você é mestre em quais estilos de luta?

Yamasaki: A minha relação com as artes marciais vem de família, desde a infância. Sou filho de Shigueru Yamasaki, faixa coral 8° Dan de judô e um dos primeiros árbitros internacionais desse esporte. Influenciado meu pai me levou a ter contato com o tatame muito cedo, com apenas quatro anos de idade, já frequentava os treinos com ele, e aos 15 anos, conhecei o jiu-jitsu e hoje sou faixa preta 4 Dan nas duas modalidades.

Torcedores: E como se tornou árbitro? Existe algum curso específico?

Yamasaki: Na época em que me tornei árbitro não existia curso específico. Aprendi com meu pai a arte da arbitragem. Ele dava cursos no Brasil, e, eu, frequentador assíduo das aulas, aprendi logo cedo as movimentações e posicionamentos. Montei um curso específico para formação de novos árbitros e juízes laterais em 2012 e hoje sou o único que pode ministrá-los no Brasil.

Torcedores: E como entrou no UFC? Existe algum tipo de licença para arbitrar lutas nos Estados Unidos?

Yamasaki: Fui responsável pela organização da primeira luta de UFC no Brasil e, após esse evento, ganhei de “Big” John McCarthy – segundo árbitro da história do UFC – a chance de também me tornar um árbitro, o que me tornou reconhecido mundialmente. Todos os árbitros hoje necessitam de uma licença para atuar e ela é conseguida através do curso dado pela Comissão Atlética e após isso uma aplicação para a mesma. Para se chegar no UFC é necessário um know-how de lutas, uma carreira sólida e muito estudo e esforço. Hoje tenho dois árbitros que se formaram no meu curso atuando no UFC.

Torcedores: Como um árbitro deve se posicionar dentro do octógono sem atrapalhar o combate e conseguir uma boa visualização?

Yamasaki: Existe toda uma mecânica de movimentação que é passada dentro do curso que ensina os futuros árbitros a se posicionar da melhor maneira.

Torcedores: Quais golpes não são permitidos no UFC? Caso eles aconteçam durante a luta, existe uma punição?

Yamasaki: Temos 27 regras unificadas pela comissão e que devem ser seguidas, caso isso não aconteça existem as advertências verbais ou a retirada de pontos.

Torcedores: Como é sua relação com os brasileiros e os outros lutadores do UFC?

Yamasaki: Minha relação é profissional. Tenho bons amigos, mas dentro do octógono não tenho nenhum.

Torcedores: Você tem uma preparação diferente quando vai arbitrar uma luta, chega a estudar os lutadores?

Yamasaki: Costumo meditar, ficar em silêncio para me concentrar no dia da luta, conheço bem o estilo de luta dos lutadores já estudei muito eles.

Torcedores: Além da arbitragem, você exerce alguma outra atividade?

Yamasaki: Sou empresário e dono de uma rede de 15 academias de luta nos EUA.

Torcedores: Qual a melhor, ou a luta mais equilibrada que você arbitrou?

Yamasaki: A melhor luta que arbitrei foi entre Randy Couture x Minotauro.

Reprodução/ Facebook oficial Mário Yamasaki