Del Nero deu R$ 1,3 milhão de presente para ex-namoradas, diz CPI

Getty Images

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga o futebol brasileiro está fazendo a cada dia mais descobertas inacreditáveis sobre os bastidores do esporte bretão no Brasil. Em depoimento colhido no Senado Federal, o presidente licenciado da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Marco Polo Del Nero, revelou que presenteou suas ex-namoradas com dinheiro vivo.

LEIA MAIS:
Partida de futebol na Itália é suspensa por briga generalizada entre jogadores; assista
Beckham posta foto com a bandeira do City pintada com as cores do United; confira
Coronel Nunes rasga elogios a Pikachu: “É excelente. Vai ser dar bem”
Opinião: Há 20 anos, o Brasil se ajoelhava aos pés do Botafogo

Com base nas informações do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), a CPI do Futebol levantou que o presidente licenciado da CBF doou às suas mulheres um total de R$ 1,3 milhão somente entre o ano passado e 2015. Tudo em dinheiro vivo. De acordo com o que consta nos relatórios do Coaf (órgão do Ministério da Fazenda que controla as atividades financeiras), nenhuma dessas doações foram registradas em transações bancárias.

O questionamento acerca desse dinheiro se deve pela suspeita de que mesmo possa ser oriundo de corrupção. Até agora, não se sabe se a sua procedência é ilícita ou não, portanto, a ação de Del Nero deve ter sido feita dentro dos trâmites legais.

Segundo o senador Randolfe Rodrigues (Rede/AP) que arguiu Del Nero na CPI, é muito estranho o fato de um valor tão alto ter circulado tão somente em espécie:

“O que não é comum são movimentações dessa monta, e tem três movimentações com pessoas com que o senhor se relacionou em espécie, em que o senhor não utilizou o sistema bancário. O que nos chama, o que nos causa? Espécie”, disse o senador durante a CPI.

Crédito da foto: Getty Images