Dirigente do Palmeiras comemora 2015 e crava: “Prontos para uma nova era de conquistas”

O time da SE Palmeiras, em jogo contra a equipe do São Bernardo FC, durante partida válida pela décima primeira rodada do Campeonato Paulista, Série A1, no estádio Primeiro de Maio. São Bernardo do Campo/SP, Brasil - 22/03/2015. Foto: Cesar Greco / Fotoarena

Na década de 1990, o Palmeiras viveu uma época de ouro. Com o apoio financeiro da Parmalat, o clube ganhou quase tudo o que disputou. Agora, em 2015, após uma reformulação total e o título da Copa do Brasil, além do vice no Paulistão, a diretoria do clube já crê em vôos ainda maiores e fala em “escrever uma nova era” no Verdão na próxima temporada.

LEIA MAIS:

Dia D: Palmeiras tem reunião nesta sexta para definir permanência de Allione

Presidente do Santos fala sobre proposta do Palmeiras por Lucas Lima e critica Mattos

Destaque do Palmeiras neste ano, Dudu já se imagina no Mundial em 2016

Cabem no seu time? Veja a seleção dos jogadores sem contrato após o Brasileirão 2015

“Foi gostoso o que se viveu no Palmeiras, houve uma paz muito grande em termos políticos e a tomada de decisão pôde ser técnica. Agora já temos ideia de titularidade, de reposição. Já sabemos a área de atuação e a capacidade de recuperação de cada um, você já tem uma perspectiva boa. Se com todas as dificuldades que passamos chegamos em duas finais e vencemos uma, acho que o Palmeiras realmente entrou no patamar de escrever uma nova era, um momento muito competitivo e de muitas conquistas”, afirmou à Rádio Web Verdão, o gerente de futebol do Palmeiras, Cícero de Souza.

Além da Copa Libertadores, competição tida como principal foco, a equipe também disputará o Campeonato Paulista, no qual é o atual vice-campeão, a Copa do Brasil e o Campeonato Brasileiro em 2016.

Para Cícero, o Verdão já tem uma base definida no elenco e pouca coisa vai mudar nesta temporada. “O ano de 2016 para nós representa a consolidação. Se em 2015 foi a reconstrução, 2016 vai ser a consolidação. Não adianta termos o melhor CT, a base, se o time de futebol profissional não for competitivo. Quando você tem Libertadores, com a oportunidade de virar o ano com 80% do elenco identificado, você já tem uma boa perspectiva”, finalizou o dirigente palmeirense.

Foto: Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação