Dos Anjos, sobre lutar com McGregor: “Não acho que seria uma boa decisão para ele, mas estaria feliz em enfrentá-lo”

Divulgação/UFC

Após atropelar Donald Cerrone, em 66 segundos, na luta principal do “UFC: Dos Anjos x Cerrone”, em Orlando (EUA), o brasileiro Rafael dos Anjos disse que não se opõe a uma luta contra o campeão dos peso-galo, Conor McGregor. Para isso, o irlandês teria que subir de categoria e enfrentar Dos Anjos nos Leves (até 70 kg).

Leia Mais: Após ser finalizada, musa do UFC mostra rosto sem marcas

“Desde que venci o titulo contra o Pettis, tive cirurgia no ligamento medial colateral e levou cinco meses para recuperar. Não tenho lesões, quero voltar o quanto antes. Como Conor McGregor disse que quer subir para a minha divisão, não acho que seria uma boa decisão para ele, mas estaria feliz em enfrentá-lo. Não estamos nem na mesma divisão, mas ele diz que quer subir ao peso-leve, então se ele subir, estarei aqui”, afirmou o brasileiro.

O brasileiro também destacou a importância dos treinadores durante a preparação para a sua primeira defesa de cinturão no UFC e disse estar pronto para manter o título.

“Eles disseram: ‘Nós temos 25 minutos para vencer a luta, mas não desperdice oportunidades. Se vir oportunidade, aproveite’. Quando acertei aquele chute nele, foi o começo do fim. Venho treinando duro, comecei meu camp há cinco meses. Quando assinei, não estava 100%, estava 60 a 70%. Comecei a treinar e meu joelho começou a melhorar, e cheguei a 100% há três meses. Vou aproveitar as festas com a família, mas sou ativo. Mesmo quando não estou lutando, estou praticando de quimono. Estou ansioso para voltar logo. Desde que mudei para a Califórnia, há quatro anos, venho treinando muito duro com o mestre Rafael Cordeiro. Ele sabe como tratar lutadores, vem nos ajudando muito na Kings MMA. Eu gosto de treinar boxe, muay thai, e isso me permite melhorar sempre. Tenho 31 anos, sinto que estou melhorando todos os dias, e este é só o começo”, finalizou.



Jornalista que gosta de boas histórias e grandes personagens, não importa se dentro ou fora de campo