Flamengo também decepcionou na Copa do Brasil

Getty Images

E não foi nenhuma novidade o péssimo desempenho do Clube de Regatas do Flamengo no ano de 2015. De qualquer maneira, a lição deve ter sido aprendida e a projeção para 2016 é bem animadora. O rubro-negro está de técnico novo e não para de contratar.

LEIA MAIS:
Brasileirão: veja quais foram os artilheiros das últimas 10 edições

Uma das competições que o torcedor esperava melhor sorte foi a Copa do Brasil, afinal o clube é tricampeão do torneio e costuma sempre chegar longe. Mas nesse ano não foi isso que ocorreu. O Flamengo estreou bem contra o Brasil de Pelotas, vencendo fora por 2×1 e depois no Maracanã por 2×0. Na sequência encarou o Salgueiro-PE e fez a lição de casa. Venceu por 2×0, eliminado o jogo de volta. Na terceira fase foi a vez de encarar o Náutico. Vacilou em casa ao empatar em 1×1, porém mostrou sua força, em Recife ao vencer por 2×0.

Veio então às oitava-de-final contra um de seus maiores rivais, o Vasco da Gama. Ali começava o jejum do Flamengo contra os times alvinegros no ano. Sim, não só na Copa do Brasil como no Brasileirão, o Flamengo não triunfou sobre nenhum alvinegro. Contra o Cruz-maltino perdeu a primeira por 1×0 e depois empatou em 1×1.

O adeus precoce traria graves consequências ao clube. Mais uma troca de treinadores, desta vez Cristóvão Borges para a chegada de Oswaldo de Oliveira. Alguns jogadores foram “encostados” e outros chegaram para amenizar, enfim, de nada adiantou para o restante da temporada.

De qualquer maneira, o Flamengo tem um excelente retrospecto na competição. Desde seu início em 1989 foram 159 Jogos com 96 vitórias, 39 empates e 24 derrotas (Marcou 300 gols e sofreu 152).

A tendência é de que no ano que vem a sina de vitórias na competição volte à tona, afinal, Muricy Ramalho terá que provar que também pode se dar bem no mata-mata e está bem empenhado e motivado.

Crédito da foto: Getty Images



Sou formado em Publ & Prop, jornalismo e rádio. Trabalhei em grandes empresas do ramo de serviços e desde 2003 atuo na área esportiva. Fiz parte da equipe da rádio Record e rádio USP, onde criei, produzi e apresentei 2 programas esportivos. Coordenei o principal programa jornalístico da rádio Estadão ESPN. Atualmente atuo na área comercial.