Futebol no SBT, NBA na Band, Japonês na Manchete. Como era o esporte há 20 anos

O esporte na TV nos dias de hoje é repleto de opções. São cinco emissoras grandes especializadas na TV a cabo (SporTV, ESPN, Fox Sports, Bandsports e Esporte Interativo), conteúdo e transmissões na área em canais abertos como Globo, Band, RedeTV, Esporte Interativo e TV Brasil. Mas, há 20 anos, o mundo esportivo já começava a ser bem representado.

LEIA MAIS
Opinião: Brasileirão morreu há 13 anos num Santos x Corinthians

Na comparação com a atualidade, o que mudou profundamente foi a condição de acesso. Enquanto uma clara minoria tinha acesso a canais por assinatura da época, ESPN Brasil e SporTV, hoje o público-cliente das operadoras já chega a quase 20 milhões em todo o Brasil. Mas o conteúdo já era forte, como mostra reportagem da revista Placar em janeiro de 1996.

Um miniguia montado pela publicação para a temporada de 1996 trazia todas as competições que seriam exibidas naquele ano pelos canais abertos e fechados no Brasil. ESPN Brasil e ESPN Internacional eram dois canais diferentes, com programadoras e equipes diferentes. O SporTV era conhecido como o canal de esportes da Globosat. Eram essas as opções pagas.

Na TV aberta, tinha esporte na Globo, Band, Record, Manchete e SBT. Em relação aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016, a Olimpíada de Atlanta-1996 teve mais presença no sinal aberto. Enquanto a próxima edição será exibida por Globo, Band e Record, os Jogos dos EUA foram transmitidos pelas mesmas emissoras, mais o SBT e a Manchete (que ainda não tinha comprado os direitos de transmissão até a publicação do guia da Placar).

Na TV paga, porém, a Olimpíada do Rio de Janeiro terá um recorde inimaginável para quem vivia os anos 1990. Serão transmitidas em 16 canais do SporTV, mais três da ESPN, dois do Fox Sports e um do BandSports. Há 20 anos, as limitações deixaram o evento com SporTV e ESPN, apenas.

No futebol, as presenças do SBT e da Manchete eram marcantes. A emissora de Sílvio Santos mostrava a Copa do Brasil e a Copa Conmebol, e ainda organizava alguns torneios amistosos no começo e no meio do ano. O canal ainda tinha a Fórmula Indy, que vivia boa fase no Brasil na esteira do desinteresse com a Fórmula 1 pós-Senna.

Na Manchete, que caminhava para a falência três anos depois, era possível assistir ao Campeonato Japonês, que atraía atenção por ter muitos jogadores brasileiros ajudando a formar o futebol no país. Mas o canal do família Bloch não tinha apenas isso no mundo do esporte. O basquete tinha o Paulista masculino e feminino na emissora, enquanto o vôlei marcava presença com a Superliga Feminina.

A Band já não era mais a mesma dos áureos tempos do “Show do Esporte”, mas ainda era muito forte. Além das Olimpíadas, a emissora tinha o Paulistão, o Brasileirão, o Carioca, Campeonato Espanhol, Italiano, Libertadores, Eurocopa, Pré-Olímpico, Superliga Masculina de Vôlei e a NBA. A maior liga de basquete no mundo estava disponível no sinal aberto.

A Eurocopa, em 2016, estará novamente na tela da Band, que é emissora licenciada. A Globo, emissora oficial, transmitirá algumas partidas do evento que acontece na França no meio do ano que vem. Há 20 anos, o canal dos Marinho tinha menos espaço para o esporte – por incrível que pareça. Só a Fórmula 1 era mais valorizada do que nos tempos atuais.

No Paulistão, apenas os jogos dos sábados eram exibidos. No meio da semana, o dia de transmissão em TV aberta era quinta-feira, e só Band e Record mostravam as partidas.

As quartas-feiras do Paulistão eram exclusivas da TV paga. E a preferência, acreditem, era da ESPN Brasil. Ela escolhia o jogo mais importante, enquanto o SporTV ficava com a segunda escolha. Os dois canais apresentavam uma boa variação de opções no mundo do esporte. Confira abaixo a tabela publicada pela Placar na época:

futebol na tv 1996

Foto: Reprodução/TV Globo

Gráfico: Reprodução/Revista Placar – Janeiro de 1996



Editor do Torcedores.com, está no site desde julho de 2014. Repórter e apresentador da TV Torcedores. Formado pela Universidade Metodista de São Paulo, já passou por UOL, Editora Abril e Rede Record. Participou da cobertura da Copa do Mundo de 2014, de dois Pans, dos Jogos Olímpicos de Londres 2012 e do Rio 2016.