Opinião: balanço do ano e 2016 para os quatro grandes de São Paulo

Dezembro de 2015, mês de reflexões, mês das famosas “barcas” de desempregados do Natal. Dezembro também é o mês das análises de desempenho dos clubes de São Paulo. Está aí um bom momento para você, caro leitor, tirar um pouco de dúvida, ver até onde seu time chegou e até onde pode chegar em 2016.

LEIA MAIS:
E se os clubes paulistas fossem de Game of Thrones? Veja qual casa de Westeros eles representariam

Sinal verde para o quarteto paulista, São Paulo, Santos, Corinthians e Palmeiras tiveram anos distintos. Porém, pode-se dizer que todos tiveram um final “feliz”, com exceção dos meninos da Vila, que perderam a épica final da Copa do Brasil para o Palmeiras e andam de ressaca na Baixada Santista até hoje.

CORINTHIANS:

O Corinthians não cansa de bater recordes. Foi campeão absoluto do Brasileirão com 3 rodadas de antecedência, 12 pontos à frente do segundo colocado, 81 pontos conquistados, melhor defesa, melhor ataque, melhor jogador do campeonato – Renato Augusto foi coroado com o troféu bola de ouro -, Libertadores 2016 garantida e um elenco cheio de peças improváveis.

Mas engana-se quem pensa que o Timão teve um ano calmo e 100% vitorioso. Começou o ano comendo a bola na Libertadores e caiu logo nas oitavas de final do torneio para o modesto Guarani do Paraguai, viu nomes consagrados saírem do elenco como Guerrero, Fabio Santos e Emerson Sheik e teve que lidar com a crise financeira – chegou a dever mais de três meses de direito de imagem.

Apesar disso tudo, o técnico Tite apostou em nomes contestados e deu a volta por cima conquistando o hexacampeonato brasileiro. Aliás, Tite foi o grande nome do Corinthians em 2015, o gaúcho provou por que é o melhor técnico do país e mais uma vez deu cara nova ao futebol do Corinthians e consequentemente o Brasileiro.

2016 DO TIMÃO:

O torcedor do Corinthians já começa mirar voos mais altos em 2016. O clube de Itaquera começa a agitar o mercado da bola, Ralf acabará de renovar seu contrato com o clube por mais 2 anos, novela que se arrastava desde o meio do ano. Alan Mineiro é outra novidade do timão, o meia de 28 anos se destacou no Bragantino após ser artilheiro do time na serie B do brasileirão e assinou contrato por 3 temporadas.

Além das renovações e caras novas, o Corinthians, juntamente com a comissão técnica prepara a volta de Alexandre Pato ao Parque Ecológico e Tite foi enfático quando perguntado. O atleta que viajou à Europa para avaliar novas propostas foi desejado pelo técnico que antes era desafeto. Tite disse que queria e quer Pato em 2016 e que o elenco não será problema para o atacante nessa possível segunda passagem.

Deixando de lado o leilão da bola, em termos técnicos o torcedor alvinegro tem que se orgulhar, após uma campanha incontestável e com a provável manutenção do elenco, o hexacampeão brasileiro virá com tudo na disputa da Copa Libertadores.

Tite implantou o 4-1-4-1 no elenco corintiano e o esquema caiu como uma luva. Explorou Renato Augusto e sua característica de construir jogadas, deixou o Elias mais livre colocando Ralf como homem de contenção e priorizou a velocidade de Jadson e Malcom. Com a chegada de Pato, o esquema tático pode melhorar em numero, gênero e grau. O atacante vive a melhor fase de sua carreira, além disso, poderá dar mais variações táticas a equipe, podendo ser deslocado para o centro da área como falso 9 ou até mesmo flutuando na cabeça da grande área entre o centroavante e o meia.

PALMEIRAS:

O torcedor palmeirense é outro que está rindo à toa. O inicio de ano foi um pouco conturbado – o time sucumbiu para o Peixe em plena Vila Belmiro na final do Paulistão. Começou o Brasileirão a trancos e barrancos, viu o ídolo Valdivia sair do clube e após a demissão de Oswaldo de Oliveira chegou até a figurar no desejado G4, mas vacilou nas rodadas finais.

A falta de algumas peças importantes por lesão, como o volante Gabriel e o meia Cleiton Xavier prejudicaram a continuidade da equipe, mas o que faltou mesmo no Palestra versão-2015 foi padrão tático. Apesar de todas as adversidades, derrotou o favoritíssimo Santos na final da Copa do Brasil e conquistou o torneio pela terceira vez, garantindo vaga na fase de grupos da Taça Libertadores.

2016 DO PALMEIRAS:

O clube anunciou a lista negra dos dispensados de Natal, são eles: Aranha (Goleiro), João Paulo (Lateral-Esquerdo), Victor Ramos (Zagueiro) e Andrei Girotto (Volante). Além destes já dispensados, outros que podem sair são o Rafael Marques e o Jackson. Os dois são peças incontestáveis no elenco para 2016, más há entraves e a permanência é inserta.

O atacante tem vinculo com o Henan Jianye, da China e o que esbarra na contratação é o valor de 1,5 milhões de dólares fixados em contrato. O clube palestrino tenta diminuir esse valor e vê com otimismo a contratação permanente do atleta. O mesmo tramite deve se repetir com Jackson. Alexandra Mattos já deu inicio aos trabalhos e tratou de fechar com três reforços. O volante Rodrigo, que veio do Goiás, o goleiro Vagner, que disputou a Série A pelo Avaí e o zagueiro Roger Carvalho, que fez boa temporada pelo Botafogo, provavelmente desembarcarão nos próximos dias em São Paulo – só falta a oficialização do próprio Palmeiras.

Taticamente o Palmeiras deixou a desejar. Ou melhor, alguns reforços que não vingaram. Basicamente, o time da Barra Funda jogou o ano todo no 4-2-3-1, seja com Marcelo Oliveira ou com o Oswaldo de Oliveira. Os treinadores procuraram explorar os cruzamentos de Lucas, o poder de velocidade de Dudu e Gabriel Jesus e principalmente o trabalho de pivô do Barrios(Leandro Pereira).

O problema todo estava na armação de jogadas, Robinho ficou responsável por isso, jogador que tem como característica jogar de segundo volante ou até mesmo como um homem surpresa chegando à grande área adversaria. Isso forçou o time a abusar dos chutões, das ligações diretas e do chuveirinho, faltou mesmo foi um meia de ligação para fazer a transição das jogadas. Com a contratação desse homem que faz a ligação entra a defesa e o ataque, provavelmente o Verdão disputará a Taça Libertadores em alto nível e brigando por títulos no brasileirão.

São Paulo:

O São Paulo foi desastroso o ano todo e ganhou um baita presente de Natal. Começou o ano mal das pernas, fez uma Libertadores meia boca, um paulistão meia boca e em abril demitiu seu técnico e ídolo Muricy Ramalho. Demorou quase três meses para contratar um novo técnico, mas essa parte talvez seja a segunda melhor do ano para o tricolor paulista.

Contratou Juan Carlos Osorio, então desconhecido no futebol brasileiro, o colombiano foi protagonista e trouxe uma nova ideia, uma nova cara e um novo método ao time do Morumbi. Recuperou o bom futebol de Alexandre Pato, implantou a ideia de um rodizio para jogadores e ainda fez funcionar muito bem o jogo de posições. O São Paulo vinha bem no brasileiro, chegou a semifinal da Copa do Brasil mas um golpe do destino deixou tudo a perder. A seleção do México tirou Osorio do São Paulo justamente no momento decisivo da temporada. Veio Doriva que durou menos de 2 meses e rapidamente foi demitido.

É verdade que o São Paulo foi uma verdadeira baderna em 2015, a crise politica se fixou no meio do ano e se alastrou até o final dele. Era presidente desviando verba de contrato, vice-presidente agredindo presidente, declarações polemicas e até um pedido de renuncia do atual mandatário tricolor… Não existiu planejamento no tricolor em 2015. As catástrofes não pararam por ai, antes de a temporada acabar o tricolor foi massacrado pelo Santos na Copa do Brasil e sobrou tempo ainda para tomar um 6×1 do arque rival Corinthians. No final das contas, Thiago Mendes e cia operaram um milagre e garantiram classificação para a fase preliminar da Libertadores

2016 DO SÃO PAULO

O Tricolor vai caminhando em marcha lenta para 2016. O vice-presidente de futebol Ataíde Gil Guerrero confirmou a possibilidade de acertar com um técnico só a partir dá pré-temporada. O São Paulo busca alguns nomes, mas vê um mercado saturado, Diego Aguirre foi para o Atlético Mineiro, Cuca irá parar com o futebol por um tempo e as opções são mínimas. Levir Cupi e Paulo Autuori dividem opiniões e já se fala no uruguaio Gustavo Matosas.

Em termos de reforços o tricolor não tem nada concreto, recentemente adquiriu mais 40% dos direitos econômicos do volante Thiago Mendes, totalizando 80%. A imprensa especula o retorno do Uruguaio Diego Lugano, que é vista com resistência pela atual diretoria. O lateral-esquerdo Rene, do Sport Recife é outra possibilidade. Concretos mesmo estão os jogadores de saída. Pato retornará de empréstimo ao Corinthians, Luis Fabiano jogará no futebol da China e Edson Silva não terá seu contrato renovado. A saída de Ganso também é vista como possibilidade, mas o clube não pensa em se desfazer do atleta, só em caso de uma proposta irrecusável.

Taticamente o São Paulo não se encontrou. Talvez pela alta quantidade de treinadores no ano, o tricolor paulista jogou de todas as formas possíveis; com 3 zagueiros, 3 volantes, 3 meias e até 3 laterais.  Analisando só trabalho de Osório – foi o mais duradouro dos 3 tecnicos no ano – o São Paulo apostou muito no jogo de posições. Usou um 4-2-3-1 com muita compactação dos volantes. Priorizou a qualidade do passe de Ganso, deixou um volante apoiando bem o meio campo e outro posicionado como libero. Jogou Pato para a esquerda e usava Michel Bastos na esquerda, isso forçava os jogadores a sempre partirem para dentro da área.

Osório foi um visionário, um dos poucos técnicos na América do Sul que pensa fora de casinha e inovou taticamente o tricolor, ele ter saído foi uma perda também para o futebol brasileiro. O São Paulo pode melhorar contratando um técnico que opte por um sistema mais ofensivo, o clube não tem grandes verbas para gastar em 2016 e terá de usar o elenco que tem juntamente com as categorias de base. Precisa ainda de umas 4 contratações, um volante, um lateral-esquerdo, um zagueiro e mais um jogador experiente para dividir a responsabilidade com os mais novos. Por esse caminho, o tricolor poderá almejar objetivos mais altos.

SANTOS:

O Santos foi a surpresa do ano. Em janeiro, enfrentava uma grave crise financeira e isso acarretou na perda das principais peças – alguns atletas entraram na justiça para recindir seus contratos e conseguiram -. O Santos chegou a dever água e floricultura. Mesmo assim não se abalou, o auxiliar Marcelo Fernandes foi efetivado e montou a equipe campeã paulista. Depois da saída de Robinho, Marcelo foi demitido e o Santos começou a brigar contra o rebaixamento no campeonato brasileiro.

Foi então que a diretoria decidiu repatriar Dorival Junior e daí para frente começou a reação dos meninos da vila. Foram 13 jogos em casa e 13 vitórias, 100% de aproveitamento e o artilheiro Ricardo Oliveira cansando de fazer gols. Chegou bem no Brasileirão, manteve a 4º colocação por cinco rodadas seguidas, porém focou mais na Copa do Brasil, perdeu o titulo para o Palmeiras e consequentemente a vaga para a Copa Libertadores.

2016 DO SANTOS:

A equipe da Baixada Santista desanimou para 2016, o titulo da Copa do Brasil era quase certo e o planejamento já era feito para o campeonato continental. A ducha de água fria tirou um pouco o foco dos principais jogadores e a tendência é de que o time tenha de duas e a três baixas do time titular. A permanência de Marquinhos Gabriel é incerta, o meia tem seus direitos ligados ao Al-Nasser. Os árabes desejam vendê-lo por 5 milhões de dólares, o Santos quer mais um ano de empréstimo e o negocio está emperrado. Lucas Lima visa Europa, por ter 25 anos de idade talvez seja a única chance do jovem jogador de ir para uma equipe de ponta do velho continente. Gabigol mantém o suspense, de férias nos Estados Unidos o atacante se diz feliz no Santos.

Taticamente o Santos tem o famoso “DNA ofensivo”. Também no 4-2-3-1, Dorival utilizou muito da velocidade dos laterais Zeca e Victor Ferraz, deixou o meia Lucas Lima flutuando pelas duas pontas sempre em diagonal buscando jogadas. Gabigol e Marquinhos Gabriel deram dinâmica na transição rápida de jogadas e deixaram para o artilheiro Ricardo Oliveira a conclusão. O Santos tem um contra-ataque mortal, a recomposição defensiva com Renato e Thiago Maia é muito rápida e eficaz. Isso ajuda na proteção dos laterais e cobre bem os buracos da defesa. Além disso, os zagueiros David Braz e Gustavo Henrique deram segurança e compactam bem com o meio de campo. O alvinegro da baixada joga um futebol bonito, veloz e eficiente, além de ser moderno. Com a reposição de futuras peças perdidas e o futebol jogado no final da temporada, o Santos é um dos fortes candidatos a disputa do brasileirão em 2016.

Apesar dos altos e baixos, o futebol paulista vem dando um baile nos adversários e poderemos ver a cidade de São Paulo comemorando muitos títulos ano que vem.

Crédito da foto: Getty Images