Pipeline: Filipe Toledo é eliminado em bateria polêmica e dá adeus ao título

O sonho de Filipe Toledo em sair de Pipeline com o inédito título mundial do surfe terminou na tarde desta quarta-feira. Mais novo da chamada “Brazilian Storm”, Filipinho, de apenas 20 anos, não conseguiu passar do round 3 da última etapa do ano, no Havaí, ao ser superado pelo local Mason Ho por 6,93 a 6,67. Dessa forma, o australiano Mick Fanning e o atual campeão Gabriel Medina mantêm chances do troféu da temporada, assim como Adriano de Souza, o Mineirinho, que surfa logo mais.

LEIA TAMBÉM:
Gabriel Medina e Mick Fanning avançam; título brasileiro ainda não é certo

O resultado deu muito o que falar, pois os juízes não consideraram uma nota de Filipinho, por um tubo, suficiente para ultrapassar a pontuação do rival nos últimos segundos de bateria. Na saída do mar, o pai Ricardo não escondeu sua irritação com os jurados, falando que o filho foi “roubado”.

Ainda assim, Filipinho preferiu valorizar a belíssima temporada, a primeira na elite do Circuito Mundial de Surfe, em que venceu três do total de 11 etapas. “Foi o melhor ano da minha carreira, o primeiro na elite do surfe, e já briguei pelo título. Tive minha chance, mas não aconteceu este ano ainda. Acho que estou mais forte a partir de agora. Estou muito feliz de ter chegado aqui no Havaí com a chance de brigar pelo título. Só quero agradecer a todos, está sendo maravilhoso”.

COMO FOI A BATERIA

Nos primeiros 20 minutos de bateria, Filipinho não conseguiu pegar nenhuma onda, enquanto Mason Ho dropou em quatro oportunidades, conseguindo 3,43. A vantagem não era grande, o que fez com que o brasileiro arriscasse no terço final do round 3.

Faltando pouco mais de 10 minutos para o fim, Filipe pegou um tubo mediano e conseguiu 4,67 para tomar a ponta. Nos últimos minutos, muita tensão pela vantagem mínima do paulista. E o pior acabou acontecendo.

Ho acabou encaixando um tubo mediano e conseguiu nota 5, retomando a liderança. Faltando apenas dois minutos, Filipinho conseguiu encaixar um tubo. O brasileiro precisava somar 2,27 para voltar a liderar a bateria, porém os juízes consideraram a manobra nota 2 cravado, eliminando Filipinho da etapa e da briga pelo título.

Crédito da foto: Reprodução/WSL



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.