Meninas do Rugby Brasil são bicampeãs no ensaio para o Rio-2016

Crédito da foto: João Neto/Fotojump

Neste sábado, 19, o Rio de Janeiro recebeu o Super Desafio BRA de Beach Rugby – ou Desafio Internacional de Beach Rugby, em sua segunda edição.

LEIA MAIS:
Rugby e futebol americano batem recorde de público no Brasil

O que a torcida presente à praia de Ipanema viu, na realidade, foi um belo ensaio para as Olimpíadas do próximo ano, em que a modalidade estará presente em sua versão Sevens (sete jogadores por equipe). Com a presença de personalidades do esporte nacional como a ex-tenista Maria Esther Bueno e o ex-atleta Gustavo Borges, além da Tocha Olímpica, o torneio foi organizado pela Confederação Brasileira de Rugby, e a principal intenção foi buscar popularizar o jogo entre os brasileiros, já que o segundo esporte de equipes mais difundido no planeta ainda é um grande mistério em nosso país, a começar pelo entendimento das regras.

Com um formato reduzido do Sevens, as equipes do rugby de praia contam com 5 jogadores titulares e 3 reservas, e várias das regras dos formatos principais desse esporte não se aplicam à praia. Por exemplo, o “try” – pontuação principal em que o jogador deve colocar a bola na área in-goal adversária –, vale apenas 1 ponto no beach rugby, contra os 3 pontos das versões principais.

O Desafio teve a participação de quatro equipes masculinas (Brasil, Argentina, Itália e Portugal) e quatro femininas (Brasil, Argentina, Uruguai e Colômbia), que disputaram partidas de 5 x 5 minutos no calor radiante da Cidade Maravilhosa. Novamente, a Argentina sagrou-se campeã no masculino, vencendo Portugal por 9 a 5 na final, enquanto o Brasil foi bicampeão no feminino, com as meninas vencendo a Argentina novamente – a exemplo da edição anterior – por 8 a 5, com destaque para as atuações de Raquel e Edninha, que lutaram bastante contra o cansaço na partida final em Ipanema, fazendo a torcida vibrar.

Crédito da foto: João Neto/Fotojump



Redator, professor e compositor. Tive a honra de começar minha jornada no Departamento de Telejornalismo da Bandeirantes, junto a Mauro Beting. Fã dos esportes em equipe, sou um devoto dos torneios internacionais. Acredito que o futebol, como qualquer paixão, tem que ser vivido no coração e na mente. Sem excessos e com bom senso.