Trio de Ferro na Libertadores no mesmo ano: confusão no campo, Palmeiras caindo nas oitavas e quase título. Relembre!

Foto: Divulgação/Conmebol

A Taça Libertadores é a menina dos olhos dos clubes brasileiros. E 2013 será especial para o estado de São Paulo. Pela 3ª vez na história da competição, o Trio de Ferro paulista disputará o torneio. Mas nas outras duas edições que Corinthians, Palmeiras e São Paulo se encontraram na Libertadores no mesmo ano, nenhum dos três foi campeão.

Leia Mais: Guerrero? Pato? Kardec? Balotelli? Rogério Ceni marcou mais gols que todos eles

Em 2006, o Corinthians chegava ao torneio com favoritismo por conta da conquista do Campeonato Brasileiro de 2005, e turbinado pelo dinheiro da MSI, que permitiu ao time ter nomes como Tevez, Ricardinho, Nilmar, entre outros. Mas o milionário Corinthians foi eliminado pelo River Plate, no dia em que a torcida alvinegra quase invadiu o gramado do Pacaembu.

 

São Paulo e Palmeiras repetiram o duelo ocorrido em 2005, e voltaram a se encontrar nas oitavas de final. Empate no Parque Antarctica e vitória Tricolor no Morumbi. O São Paulo só seria parado na final, pelo Internacional.

 

Em 2013, a situação era diferente. Era o Corinthians, e não o São Paulo, quem vinha de um ano anterior com títulos da Libertadores e do Mundial. Mas isso não foi o suficiente para levar o time além das oitavas de final. Com uma atuação desastrosa de Carlos Amarilla, o Boca Juniors vingou a final de 2012 e eliminou o Timão no Pacaembu.

O Palmeiras tinha acabado de ser rebaixado pela segunda vez em 2012 e fez uma Libertadores de altos e baixos. Com isso, foi eliminado pelo Tijuana, do México, também no Pacaembu.

O São Paulo, então campeão da Copa Sul-Americana, passou sufoco na fase de grupos, conseguindo a classificação somente na última rodada, com uma vitória diante do Atlético-MG. Nas oitavas de final, novo encontro com os mineiros, que venceram as duas partidas e rumaram para a inédita conquista da Libertadores.

Corinthians e Palmeiras garantiram o lugar ao conquistarem o Campeonato Brasileiro e a Copa do Brasil, respectivamente. O São Paulo assegurou sua vaga na última rodada do Brasileirão. Por conta disso, Timão e Verdão entram direto na fase de grupos, enquanto o Tricolor terá que passar pela primeira fase eliminatória. O sorteio dos grupos e dos confrontos mata-mata será realizado na próxima terça-feira, dia 22 de dezembro.

Com o São Paulo na primeira fase, aumentam as chances de novamente haver clássico paulista já na fase de grupos. Em 2015, o Tricolor enfrentou o Corinthians duas vezes, os dois únicos Majestosos da história da Libertadores. Uma vitória para cada lado por 2 a 0.

Já o Choque-Rei tem uma história mais rica, e mais favorável, ao São Paulo. Foram oito encontros na Libertadores, com amplo domínio tricolor: seis vitórias e dois empates, com três classificações do São Paulo no mata-mata.

No Dérbi, a vantagem é do Palmeiras. Verdão e Timão se enfrentaram seis vezes, com três vitórias para cada lado. Mas o que pesa aí são as eliminações históricas do Corinthians em 1999 e 2000, quando o Timão era o atual bicampeão brasileiro, ambas nos pênaltis, nas quartas de final e na semifinal de 1999 e 2000, respectivamente.

Confira os confrontos

CHOQUE-REI

1974 – São Paulo 2×0 Palmeiras – fase de grupos

1974 – Palmeiras 1×2 São Paulo – fase de grupos

1994 – Palmeiras 0x0 São Paulo – oitavas de final

1994 – São Paulo 2×1 Palmeiras – oitavas de final

2005 – Palmeiras 0x1 São Paulo – oitavas de final

2005 – São Paulo 2×0 Palmeiras – oitavas de final

2006 – Palmeiras 1×1 São Paulo – oitavas de final

2006 – São Paulo 2×1 Palmeiras – oitavas de final

DÉRBI

1999 – Palmeiras 1×0 Corinthians – fase de grupos

1999 – Corinthians 2×1 Palmeiras – fase de grupos

1999 – Palmeiras 2×0 Corinthians – quartas de final

1999 – Corinthians 2 (2)x(4) 0 Palmeiras – quartas de final

2000 – Corinthians 4×3 Palmeiras – semifinal

2000 – Palmeiras 3 (5)x(4) 2 Corinthians – semifinal

MAJESTOSO

2015 – Corinthians 2×0 São Paulo – fase de grupos

2015 – São Paulo 2×0 Corinthians – fase de grupos



Jornalista que gosta de boas histórias e grandes personagens, não importa se dentro ou fora de campo