“China brasileira”, Palmeiras prevê superávit em 2016, ao contrário de rivais

Fotoarena/Cesar Greco

Em um momento em que grande parte dos times se desfaz dos seus jogadores na tentativa de cobrir rombos financeiros, o Palmeiras mostra mais uma vez agressividade no mercado. A mais nova contratação do Verdão foi o volante Jean.

Leia Mais: Como um telefonema de Guardiola mudou o rumo da carreira de Messi, e dele próprio
Adidas homenageia Messi com chuteira especial: “O maior de todos os tempos”
Rei do Lado B da bola: Veja quem votou em Neymar como o “Melhor do Mundo”
Jürgen Klopp descarta contratação de Alexandre Pato pelo Liverpool

Um dos fatores que contribuem para que o Palmeiras siga investindo pesado é que o clube deverá ter superávit em 2016. Na contramão dos rivais da capital, o departamento financeiro do clube prevê lucro de R$ 33,4 milhões – R$ 353,1 milhões de receitas menos R$ 319,7 milhões de despesas.

O orçamento do Palmeiras vai à contramão dos rivais da capital paulista. Hexacampeão brasileiro, o Corinthians prevê um prejuízo de 40 milhões de reais. Isso E olha que o alvinegro já vem de prejuízos de R$ 97 milhões no exercício de 2014. Em 2015, o déficit alvinegro está previsto em R$ 50 milhões. Nem mesmo a debandada de jogadores pode aplacar o caixa do Timão. O clube recebeu pelas saídas de Renato Augusto, Jadson, Ralf e Vagner Love, aproximadamente R$ 33 milhões.

Por Renato Augusto o Beijing Guoan pagou R$ 35 milhões, dos quais R$ 17,5 milhões ficaram com o Corinthians. Jadson, vendido por R$ 22 milhões Para o Tianjin Quanjian, gerou lucro de apenas R$ 6,5 milhões para o Alvinegro. Ralf, que será companheiro de Renato Augusto na China, rendeu ao clube R$ 4,5 milhões. Já a saída de Love, que foi para o Monaco, da França, deixou R$ 5 milhões nos cofres alvinegros.

A situação mais grave é a do São Paulo. O Tricolor passou mais de um ano sem patrocínio máster na camisa, vivendo de acordos pontuais e ações de marketing que envolve as redes sociais e outros ativos do clube. Os acordos com Copa Airlines e Gatorade rendem aproximadamente R$ 4 milhões anuais.

Para esta temporada, o time fechou acordos com a Joli, empresa de material de construção, e a FIAP, faculdade de tecnologia. Mas o balanço de 2014 fechou negativo em R$ 100 milhões. E segundo Alexandre Bourgeois, ex-CEO do clube, a previsão de déficit é de R$ 136 milhões. Para piorar, o clube já antecipou R$ 25 milhões dos R$ 75 milhões que tem a receber da empresa norte-americana Under Armour, fornecedora de material esportivo do clube.

Assim, o Palmeiras tem tudo para poder nadar de braçada e dominar o futebol do estado de São Paulo. Pelo menos nas finanças.



Jornalista que gosta de boas histórias e grandes personagens, não importa se dentro ou fora de campo