Coincidência para 2016? Nas duas Libertadores que venceu, Grêmio era treinado por ex-defensores

Os gremistas mais supersticiosos já têm um motivo a mais para crer no tricampeonato da Libertadores em 2016. O Grêmio estreia no dia 18 de fevereiro, contra o Toluca, no México. San Lorenzo, da Argentina, e LDU, do Equador, fazem companhia no grupo ao time de Roger Machado, que, assim como Valdir Espinosa e Luiz Felipe Scolari, era defensor nos seus tempos de atleta.

LEIA MAIS:

Ex-presidente do Grêmio elogia Douglas e DISPARA contra D’Alessandro

Carta fora do baralho: Rafael Marques fica no Palmeiras e frustra os planos do Grêmio

Treinador do Grêmio na conquista da Libertadores de 1983, a primeira do clube, Valdir Espinosa havia sido lateral-direito do próprio tricolor na década de 70. Como treinador, conduziu a equipe ao título continental vencido sobre o Peñarol, do Uruguai. Naquele mesmo ano, comandaria o time na conquista do Mundial sobre o Hamburgo, da Alemanha.

Doze anos depois, o bicampeonato da América veio sob comando de Luiz Felipe Scolari, o Felipão. Como jogador, o técnico campeão do mundo pelo Brasil em 2002 era um zagueiro clássico, que não brincava em serviço. Entre as décadas de 70 e 80, Felipe vestiu as camisas de Caxias, Novo Hamburgo, Juventude e CSA, e, assim como Espinosa, representava um jogador de defesa em suas equipes.

Agora, a sina de “ex-defensores campeões” recai sobre Roger Machado, zagueiro e lateral-esquerdo de clubes como o próprio Grêmio e Fluminense. Roger, inclusive, era titular do time de Felipão, campeão da América em 1995. Como treinador, em 2016, terá a oportunidade de se igualar a Valdir Espinosa e Felipão, colocando de vez o seu nome na história do Grêmio.

Crédito da foto: Divulgação/Grêmio.



Jornalista formado pela PUCRS em agosto de 2014. Fã de esportes, sobretudo tênis. Colorado por paixão, jornalista por vocação e tenista por opção.