Opinião: Craque o Flamengo faz em casa

técnicos
Crédito da foto: Divulgação/ Gilvan de Souza/Flamengo

E não é de hoje que o Flamengo valoriza as suas divisões de base. Para manter sempre vivo o slogan de que “Craque o Flamengo faz em casa” é preciso muito trabalho.

LEIA MAIS:
Cinco entrevistas épicas que só poderiam ter acontecido no Flamengo

Os profissionais que fazem parte desse processo são sérios e tem o objetivo de desenvolver e preparar jovens talentos para suprir a necessidade da equipe principal e, consequentemente evitar que seja investido altos valores em contratações.

O problema é que nem sempre uma “joia” chega a ser experimentado no time de cima, seja por causa de empresários que já negociam com os times de fora ou simplesmente pelo clube não ter a paciência de utilizar apenas o que tem em mãos.

Enfim, a filosofia de Muricy Ramalho, com o apoio de Jayme de Almeida, Zé Ricardo e cia, além do respaldo da direção atual, é a de prestar mais atenção nos meninos da Gávea. A tendência é de o torcedor ver pelo menos uns seis jogadores da base sendo aproveitados. Trindade, Jajá, Douglas Baggio, Matheus Savio, Rafael Duma, Ronaldo, e por aí vai.

E olha que o trabalho promete ser recompensado, afinal, o Flamengo é o a atual campeão da Copa Brasil de Futebol Infantil sub-15 e na edição de 2016 começou com o pé direito.

O rubro-negro venceu o Corinthians por 3 a 2, em Votorantim, sede da competição, e agora foca suas atenções para continuar o caminho rumo ao Bi contra o Vitória e Coritiba.

O São Paulo é o maior campeão do torneio, com quatro títulos. O Mengão venceu a última edição, em 2014, e o Corinthians levantou a taça duas vezes: em 2003 e 2004.

Vamos ficar de olho nos meninos, pois para quem não sabe, foi desse torneio que saíram nomes como o de Denílson, Robinho, Alexandre Pato, Alex e Neymar.

Crédito da foto: Gilvan de Souza/Flamengo



Sou formado em Publ & Prop, jornalismo e rádio. Trabalhei em grandes empresas do ramo de serviços e desde 2003 atuo na área esportiva. Fiz parte da equipe da rádio Record e rádio USP, onde criei, produzi e apresentei 2 programas esportivos. Coordenei o principal programa jornalístico da rádio Estadão ESPN. Atualmente atuo na área comercial.