“Por mim, ficaria o resto da vida no Santos”, diz Elano

Depois de três meses atuando por empréstimo no futebol indiano, Elano está de volta ao Santos para o início da temporada 2016. Aos 34 anos, o meia já é ciente de que a hora de parar não está longe e, apesar da vontade, também sabe que continuar jogando será um desafio cada vez maior.

LEIA MAIS: Com conversas diárias, Elano tenta convencer Robinho a voltar ao Santos

“Não é fácil. Temos um time formado, de qualidade, mas vocês me conhecem. Quero fazer a pré-temporada e um bom Paulista para chegar bem estruturado no Brasileiro. Tenho um objetivo e vou à luta, porque nunca ninguém me deu nada”, explica, em entrevista ao site da ESPN.

Nos meses em que esteve na Índia, Elano admite ter passado dificuldades para acompanhar o final de ano do Santos, mas ressalta a boa campanha do Peixe ao longo da última temporada. “Sabia que a possibilidade do Santos chegar à final da Copa do Brasil era grande. Não conquistamos e a derrota nos machuca, mas conseguimos novamente colocar o Santos no patamar em que sempre esteve”, reforça o meia.

Um dos veteranos do atual elenco santista, o meia ressalta a boa relação com o técnico Dorival Júnior, a quem respeita e ajuda sempre que possível. “Temos uma conversa bem natural, aberta. Procuro não me exceder e peço que, caso aconteça, ele me corrija, pois quero fazer o melhor. Joguei com o Paulinho (novo reforço do Santos) no Flamengo e passei para o Dorival como ele gosta de jogar. Nesses pontos, procuro passar algo. Quem sabe isso possa acrescentar para o Paulinho ou para o treinador, mas a decisão final é sempre do Dorival”, revela.

Planos para o futuro

Perto de pendurar as chuteiras, Elano demonstra carinho pelo clube que o consagrou para o futebol e reafirma o desejo de continuar sendo importante para o Santos. “Por mim, ficaria aqui pelo resto da vida, para jogar e trabalhar. Mas quero não quero ser mais um, para dizer que estou trabalhando ou jogando no Santos. Quero ser útil. Minha carreira está perto do fim e quero parar em condições de ser um ser humano normal, para jogar minha pelada, futevôlei…”, enfatiza.

Quanto à futura função dentro do clube, o meia conta que ainda quer continuar mais próximo dos gramados, diferente do também ídolo santista Léo, que agora faz parte da diretoria alvinegra da Baixada. “Esse não é meu lado. Gosto mais de campo, de ensinar, conversar e aprender”, reitera.

Dessa forma, Elano analisa com maiores possibilidades um futuro como treinador, mas admite que, para isso, ainda teria muito a aprender. “Tudo que fiz até hoje, tenho na cabeça. Parte tática, coisas que o Leão falou, Cabralzinho. Com Rincón aprendi muito. Procuro passar para eles e, consequentemente, vou aprendendo e acrescentando. Quem sabe, no futuro, possa ter o sucesso que tive como atleta. Mas tenho que aprender primeiro. É difícil sair de jogador para treinador. É importante sair do ambiente, repensar… São vários pontos para ser treinador”, aponta.

(Foto: Instagram/Elano Blumer)



Jornalista formado pelo Mackenzie (SP), pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Multimídias e pós-graduando em Assessoria de Comunicação e Mídias Sociais pela Anhembi Morumbi (SP). Apaixonado por esportes desde 1994.