Lady Gaga cantará o hino nacional americano no Super Bowl 50

Getty Images

 

O maior evento televisivo americano que já contava com Beyoncé e Coldplay agora contará com Lady Gaga! A cantora pop americana dará início a final do Super Bowl 50 no próximo domingo (7) no Levi’s Stadium, em Santa Clara, na Califórnia.

 

Leia mais: Super Bowl 50: Jogadores de Panthers e Broncos falam sobre expectativas e motivações para o grande jogo

Portando, Gaga entoará o hino nacional americano antes da partida entre Denver Broncos e os Carolina Panthers, o anúncio foi feito na terça (2) pela Liga de Futebol Americano (NFL). Os aguardadíssimos shows do intervalo, chamados de Halftime Shows ficarão por conta da também americana  Beyoncé da banda britânica Coldplay e também do hawaiano Bruno Mars que participou como atração principal do Super Bowl em 2014. Beyoncé também não é novata no evento e já comandou a edição de 2013.

Bruno Mars foi anunciado junto a trupe de estrelas do evento na segunda (1). Lady Gaga, 29, já vendeu quase 30 milhões de álbuns ao redor do mundo e venceu seis Grammy’s.

Em 2015, a final teve uma média de 114 milhões de espectadores. Esta é a 50ª edição da final da liga, a mais popular no país. Para quem quiser assistir in loco este estouro televisivo no Levi’s Stadium, tem de estar com o bolso preparado, as entradas custam um pouco mais de R$ 70 mil, US$ 17,5 mil. Nas bilheterias do estádio, o ingresso mais barato era de R$ 15,5 mil (US$ 3,8 mil). Só há ingressos disponíveis com cambistas.

Em 2015, a atração principal do show de intervalo foi a cantora Katy Perry e teve como convidados o cantor norte-americano Lenny Kravitz e a rapper Missy Elliott, com 118.5 milhões de espectadores, ultrapassando Bruno Mars no Super Bowl XLVII, tornando-se o Halftime Show mais assistido da história. A expectativa é que 2016 quebre este recorde.

Leia também: Rihanna ‘lacra’ no comercial do Super Bowl e Grammy: “Eu valho a espera”

Imagem: Getty Images

 

 



Formada em jornalismo pelo Mackenzie, demorei anos para perceber que dá, sim, para ir atrás dos sonhos e trabalhar com o que se gosta: o esporte. Hoje me divido entre o esporte e a política. Nunca vou me conformar com os que dizem: "É só futebol.."