GP da Austrália: Surpresa! Foi bom!

Finalmente a Fórmula 1 está de volta! E nossa espera foi recompensada com uma bela prova na Austrália.

A corrida começou com cara de que ia dar Ferrari e acabou se transformando em mais uma dobradinha da Mercedes. Tédio? Monotonia? Não! Apesar do resultado, foi uma corrida excelente, com boas ultrapassagens, estratégias diferentes para companheiros de equipe, equipe novata pontuando e vários momentos surpreendentes.
Logo na largada, as Ferraris avançaram, tomando a 1ª e 2ª posições enquanto Rosberg caiu para a 3ª e Hamilton para a 6ª (!) O sistema de largada está um pouco diferente devido a uma mudança relacionada à embreagem: até ano passado, eram duas alavancas de embreagem atrás do volante e agora, em 2016, é uma só. É natural, portanto, que ainda leve um tempo até que os pilotos se adaptem a isso e muitos erros ainda podem ocorrer. Mas é inegável também que os pilotos da Ferrari parecem ter treinado bastante. Apesar de o desempenho da Mercedes ainda ser superior ao da Ferrari, a equipe de Maranello não está tão longe e, pode sim, alcançar vitórias se tiver boas estratégias (e os erros da Mercedes, claro, podem contribuir bastante).

Talvez Vettel tivesse vencido a corrida não fosse a estratégia um pouco equivocada da equipe em mantê-lo com os pneus supermacios, forçando-o dessa forma, a fazer uma parada a mais – o fato é que Vettel fez uma excelente prova. Assim como também foi revelado por Toto Wolff que se a corrida fosse um pouco mais longa Rosberg iria ter que parar nos pits mais uma vez por causa de um superaquecimento de freio e do desgaste de um pneu traseiro. Ou seja, no final das contas, também foi uma questão de sorte. E que Rosberg passe a ter mais sorte esse ano. É inegável que Hamilton é um piloto mais rápido, mas Rosberg passou por muitos momentos pessoais difíceis e de azar na temporada passada, o que contribuiu ainda mais para que Hamilton levasse o tri tão “facilmente”. Se neste ano tivermos um Rosberg confiante e contando com uma sortezinha de vez em quando, talvez tenhamos um campeonato de verdade, com disputa real pelo título – e já pudemos notar que a equipe está permitindo estratégias diferentes pra eles, o que é muito bom. Por mais que eu goste de Hamilton, acho que esse cenário de disputa intensa seria muito mais interessante.

O acidente envolvendo Alonso e Gutierrez foi de dar medo. Foram cenas muito fortes que acordaram até o mais sonâmbulo telespectador. Mas, graças a Deus, Alonso ficou bem, sem nenhum ferimento ou sequela. Ele, inclusive, assumiu a culpa pelo acidente, dizendo ter errado o ponto de freada – e convenhamos, Alonso não costuma ser humilde, se assumiu, é porque realmente foi culpado. Mas obviamente não merecia levar algum tipo de punição depois de tudo o que passou (e de ter seu carro completamente destruído). Espero que ele tenha mais sorte nas próximas e consiga mostrar algum avanço da McLaren. Sim, eu realmente gosto da equipe e dos pilotos e me entristece ver um desempenho tão medíocre (por enquanto!).

Uma coisa que me decepcionou nessa corrida foi a atitude do menino Verstappen. Sempre digo que sou fã dele, que gosto muito de seu arrojo e acho que é um piloto incrivelmente talentoso – e corajoso, ao mandar um “Não!” para uma ordem de equipe. Infelizmente, dessa vez não era ele quem estava recebendo uma ordem para deixar o companheiro passar, mas intimando a equipe a mandar o companheiro deixá-lo passar. Foi triste. Não achei que ele fosse a favor de ordens de equipe em situações onde absolutamente não são necessárias. Apesar de ele ter ficado, provavelmente e com razão, muito frustrado depois de um desastroso pit stop (parou com a 4ª posição e retornou somente com a 12ª), sua atitude foi descabida e mimada. Mas temos que ter em mente que ele é um garoto de 18 anos, que ainda está em fase de amadurecimento…Só espero que alguém o faça refletir sobre isso e que não seja seu pai, Jos Verstappen, visto que ele não é exatamente um exemplo de bom senso.

Também teve a Haas marcando seus primeiros pontos. Grosjean fez uma incrível corrida e conseguiu terminar em 6º lugar, marcando preciosos 8 pontos para a equipe estreante. A empolgação de Romain no rádio, ao ultrapassar a linha de chegada, foi tocante. Espero que continuem tendo um bom desempenho. Ricciardo também foi muito bem, mas não conseguiu o tão esperado pódio em casa…Tudo bem, conseguiu a volta mais rápida da corrida e o pódio fica para uma próxima

E deixei o assunto mais polêmico para o final: Felipe Massa. Não porque eu ache Massa polêmico, mas porque as pessoas gostam de criar polêmica em cima dele. O brasileiro fez uma corrida muito boa, impecável e mostrando que também pode lidar bem com o desgaste dos pneus. Chegou em 5º lugar e até a Williams foi bem em seu pit stop – isso realmente me surpreendeu. Mas o mérito é mais de Massa que da equipe, visto que ele fez tudo o que pôde com o equipamento que tinha em mãos. Com esse carro como está, a Williams não terá chance de chegar muito mais à frente, mas já para a corrida que vem vai ter bico novo para Massa, então…Quem sabe?

Imagem: Reprodução/Twitter Oficial Haas F1 Team



Autora do blog sobre automobilismo Racing Journal: https://racingjournal.wordpress.com/