Opinião: Um São Paulo de atitude

São Paulo
Crédito da Foto: Reprodução/Twitter Oficial São Paulo FC

Neste domingo, 27 de março, jogaram pelo Campeonato Paulista Santos x São Paulo na Vila Belmiro. Desfalcados de suas “estrelas” o clássico ficou desconfigurado mas mesmo assim, a partida foi muito disputada e há destaques negativos e positivos de ambos os lados. Um ponto do São Paulo na partida que merece um destaque é a atitude que a equipe teve. O fato de não vencer os clássicos do Estado de São Paulo colocou uma pressão em cima do time, mas ainda assim o Tricolor Paulista não se intimidou na casa do rival alvinegro e isso é muito positivo dentro da fase que o clube passa.

LEIA MAIS:
JOEL MARCA, MAS “LEI DO EX” EMPATA CLÁSSICO ENTRE SANTOS E SÃO PAULO

Sem Paulo Henrique Ganso, principal jogador do São Paulo na temporada e artilheiro da equipe, foram escalados 3 volantes com Thiago Mendes, João Schmidt e Hudson, mais 2 na criação das jogadas, Daniel e Centurión fechando o meio de campo. Calleri era o único atacante. No primeiro tempo, graças aos 3 volantes e uma postura mais avançada, o São Paulo no começo neutralizava as jogadas santistas e tentava contra-ataques com Daniel aberto pela direita, Centurión aberto pela esquerda e Calleri se movimentando muito na frente. Porém, não houve muito sucesso devido aos erros de passe. A equipe mandante também marcava forte e tentava se impor mas era neutralizada pela marcação dos volantes do time da capital. Com isso, o jogo ficou de intermediária a intermediária. Com o passar do tempo, o São Paulo deu espaços e o Santos usando passes de primeira e acelerando as jogadas, começava a chegar e oferecer perigo a meta são paulina. Se o São Paulo tinha um plano de segurar o Santos na primeira etapa, obteve sucesso e assim a partida terminou 0 x 0.

Antes de começar a segunda parte do jogo, uma substituição no Tricolor. Centurión deu lugar ao jovem Lucas Fernandes. O recomeço da partida apresentou o Santos querendo decidir logo e mais uma vez tentando de impor mais. Aos 13 minutos, descida rápida e troca de passes até a bola chegar para o camaronês Joel na entrada da área, ele limpou a marcação e finalizou forte de perna esquerda no canto alto do canto direito de Denis. Santos 1 x 0. Mas quem pensava que o São Paulo ia se abalar e abaixar a cabeça, não viu isso. A equipe seguiu jogando normalmente e passou a pressionar, chegando ao ataque. As jogadas eram mais aceleradas e mais jogadores passaram a rondar a área adversária. Bauza lançou Kardec e Kelvin nos lugares de Daniel e Thiago Mendes, mudando o esquema e tendo dois atacantes, um jogador mais centralizado e outro aberto. Graças a aproximação dos volantes, principalmente João Schmidt, um certo volume de jogo foi criado e ofereceu o risco do contra-ataque. O Santos chegou em algumas oportunidades e obrigou Denis a trabalhar. Lugano teve muito trabalho com Neto Berola também. Mas o Peixe não aproveitou e o São Paulo continuou chegando cada vez mais perto mas sem a chance clara de finalizar. A defesa santista afastava todas as tentativas tricolores e cedia escanteios, num desses Lucas Fernandes cobrou e Alan Kardec se antecipou, cabeceou no contra pé de Vanderlei e empatou o jogo aos 37 minutos da segunda etapa.

No final da partida bateu o cansaço e as equipes já não chegavam com ímpeto, o que impediu de acontecer mais chances de gol. A partida terminou empatada em 1 x 1. O Santos é o segundo colocado do  grupo A e o São Paulo o primeiro do grupo C, ambas colocações determinadas pelos critérios de desempate.

Para o São Paulo fica o ponto positivo de mostrar atitude jogando fora de casa e sofrendo gol e tendo que buscar o placar. Dias melhores virão? O que acha torcedor?