Derrota do Praia Clube no 3º set, divisor de águas, em mais um título das cariocas

CBV Divulgação

CBV Divulgação
CBV Divulgação
A Superliga mais uma vez mostrou, quem é quem na competição. O time do Rexona Ades liderado pelo técnico Bernardinho já havia feito a melhor campanha na fase de classificação, além de defender a hegemonia de várias temporadas.

O jogo se mostrou muito equilibrado e surpreendeu muita gente. O Time de Uberlândia jogava sem o peso das decisões, com alegria, empolgação, e principalmente, um time muito disciplinado taticamente, aliando bons saques e um bloqueio mortal.

Do outro lado, o Rio de Janeiro, jogava com a pompa de ‘estrelas’ e o status de ser time a ser batido. A responsabilidade atingiu proporções ainda maiores, diante a dificuldade enfrentada pra vencer o arquirrival.

O grande destaque da competição, a ponteira Natália foi anulada na decisão, e a missão de ‘liderar’ ficou com a oposta Monique, grande destaque do time carioca.

A vitória se contextualizou, principalmente, quando o time de Uberlândia vencia o 3º set por 23 a 18 e deixou o Rexona reagir e virar no marcador, vencendo na oportunidade.

O jogo parelho se manteve até o fim e. O Praia Clube mostrou que pode ser pra próxima temporada a ‘carne de pescoço’ dos cariocas, um adversário indigesto a ser enfrentado.

A Superliga mostrou que as tidas como veteranas, ainda jogam muito e são extremamente importante para suas equipes. A líbero Fabi do Rio de Janeiro, extremamente técnica e voluntariosa, ainda é um dos pilares do Vôlei Nacional.

Do outro lado, a central do Praia Walewska foi a locomotiva mineira, em mais uma apresentação de gala.

É inegável não reconhecer a regularidade do time carioca, um time exigido, cobrado no patamar Bernardinho de qualidade.

Mesmo não tendo jogado bem, jogou com a sorte e os erros do adversário, além, obviamente, a competência e frieza em controlar a partida em momentos adversos.

Assim foi o 3º set, uma parcial definida no emocional de uma equipe que sabe decidir e se aproveitar da experiência em decisões.

Para o Praia, ficou o sentimento de ‘podia mais’. O time fez uma belíssima atuação, mas esbarrou em pequenos erros, que não podem acontecer em uma decisão.

Em jogo de decisão, quem erra menos é o vencedor, e a equipe mineira vacilou na hora que não podia, e deu de ‘bandeja’, mais um campeonato para o Rio de Janeiro.