Opinião: Piloto ou motor – qual é o diferencial na Fórmula 1?

Crédito da foto: Reprodução/ Site oficial Fórmula 1

Há alguns anos na Fórmula 1, vemos equipes que dominam completamente o campeonato por algum período, e muitas das vezes com um piloto se sobressaindo sobre o outro da mesma equipe, acabando por vencer o campeonato de forma antecipada e tirando a graça de se assistir a uma corrida. Afinal, o que terá de interessante para se ver, se já sabemos o vencedor daquele grande prêmio?

LEIA MAIS:
Opinião: Quando não há lógica, a F1 fica mais saborosa. Obrigado, GP da China

Vejamos bem no ano de 2016, Nico Rosberg venceu as três primeiras corridas (Austrália, Bahrein e China), com uma vantagem gigantesca sobre o segundo colocado Sebastian Vettel no último domingo na China, com o seu companheiro de equipe, e último campeão mundial Lewis Hamilton ficando no 7º lugar, mesmo tendo largado na última posição por ter que trocar o câmbio e a unidade motriz.

Faltam mais 18 corridas para terminar o ano, porém a julgar esse início de campeonato, o alemão Rosberg, vai sobrar, para desespero daqueles que gostam de ver o circo pegando fogo até o último minuto, ou melhor, até a última volta, como foi na temporada de 2008 que tivemos um brasileiro quase sendo campeão do mundo e, na última curva, Hamilton ultrapassando Tino Glock e sendo o ganhador daquela temporada.

Vamos ao foco principal: quem vem sendo nos últimos anos o grande diferencial da Fórmula 1? Pilotos ou motores? Se você respondeu os pilotos, em uma pequena porcentagem está certo, porém o que temos visto são equipes com uma escala muito grande de diferença entre uma e outra.

Temos a Mercedes em 2015 e agora dominando tudo, e tivemos há pouco tempo a RBR (Red Bull Racing), com o alemão Sebastian Vettel e seu companheiro Mark Webber vencendo a praticamente todas as corridas.

O que ocorre é que temos essa pequena alternância entre os pilotos da equipe para vencer. Assim como Lewis Hamilton sobrou no ano passado, sendo campeão de forma totalmente antecipada, esse ano caminha para Nico Rosberg ser campeão do mundo de Fórmula 1.

Que os gigantes diretores dessa categoria amada do automobilismo façam alguma coisa para mudar esse cenário, e assim, possamos ver pilotos brigando de igual para igual, atraindo mais olhares, ou então a tendência é exatamente o que vem ocorrendo, a Fórmula 1 perdendo audiência e espectadores ano após ano, e sempre uma equipe com soberania no ano, sem dar chance de igualdade para os demais brigarem, como foi nos últimos anos com Red Bull Racing e agora com a Mercedes.



Estudante de Jornalismo da FIAMFAAM. Apaixonado por esportes, falo principalmente sobre FUTEBOL, FÓRMULA 1 e Vôlei.