Opinião: Futebol pune o Fortaleza e trave salva o Bahia

Felipe Oliveira (EC Bahia/Divulgação)

A história de um jogo em que mais uma vez o futebol apronta suas “injustiças”. Fortaleza jogou mais que o Bahia nos 180 minutos de confronto, mas o time baiano avançou para as semi-finais da Copa do Nordeste.

São vários os casos em que você escuta “uma vitória injusta de um certo time” num jogo de futebol, no caso de onde o melhor nem sempre vence e por isso é um esporte único. Até em outros esportes coletivos, o melhor conjunto normalmente obtém a vitória. Não estamos falando de situações que externam o campo de futebol, mas sim de um time que pode ser inferior a todo momento mas consegue colocar a bola na rede.

A situação acima ocorreu mais uma vez no futebol brasileiro. Dessa vez foi no confronto entre Bahia e Fortaleza pelas quartas-de-final da Copa do Nordeste. No jogo de ida, realizado na última quarta-feira (30/03), o Fortaleza jogou em casa e estava com o controle do jogo, mas levou a virada do Bahia ainda no primeiro tempo, por falhas no sistema defensivo. No segundo tempo, posse de bola novamente controlada pela equipe da casa, mas o time não conseguiu passar das “barreiras” montadas pelo Bahia, que acabou vencendo por 1-2.

No jogo de volta realizado neste domingo (3), na Fonte Nova, parecia que o Bahia controlaria a partida e buscaria rapidamente o gol que lhe salvaria de qualquer complicação na partida. Mas ocorreu totalmente o contrário. Mesmo fora de casa e contra 18 mil torcedores, o Fortaleza tomou o controle do jogo para si e fez uma grande pressão no adversário desde os primeiros minutos, com vários lances de perigo. O Bahia teve até um pênalti a favor, cometido por Juliano sobre o Thiago Ribeiro, mas Ricardo Berna (que ajudou muito o Fortaleza nessa campanha) defendeu. No mais tardar da primeira etapa, Juliano levou dois cartões amarelos e deixou a situação do Bahia ainda mais preocupante, sendo expulso precocemente.

No segundo tempo, logo aos 3 minutos, o Fortaleza chegava com bola na trave, mas cerca de um minuto depois, finalmente saiu o inevitável gol, com Eduardo. Com 0-1 no placar, a pressão do Fortaleza cresceu ainda mais e o Bahia começou a se expor mais no campo de jogo, sendo que seu sistema defensivo estava muito mal posicionado. Mas, perto dos 30 minutos, quando o gol do Fortaleza parecia que sairia a qualquer momento, Juliano acertou um “chutaço” e não deu chances a Berna, um gol “achado” do Bahia, empatando o placar 1-1. Nos minutos finais, bateu o nervosismo da equipe visitante, que começou a errar jogadas básicas que antes eram acertadas com facilidade. Mas o time não desistiu, e no último lance de jogo, mais uma bola na trave.  Assim como iniciou, terminou o 2° tempo. 1-1 e “vitória” do Bahia.

Para as semifinais, é bom a equipe baiana treinar finalizações, pois foram várias as que foram para fora da meta do gol. O próximo adversário será “apenas” o Santa Cruz, que venceu o Bahia em casa por 2-1 no jogo de ida e derrotou o time cearense no Castelão por 0-1.

PS: Muito mais empolgante assistir a Copa do Nordeste em sua fase final que jogos fracos e “amistosos” dos estaduais do chamado “eixo RJ-SP”.



Vocação jornalística e esportiva desde a infância. Colaborador desde 2015 com matérias/artigos, principalmente nas coberturas do automobilismo, futebol americano e esportes eletrônicos.