“Quero evoluir para ter chance no profissional”, diz zagueiro do Santos emprestado

Crédito da Foto: Divulgação/Assessoria da Portuguesa Santista

Conhecida pela capacidade de revelar grandes talentos, a base do Santos Futebol Clube nem sempre projeta um atleta para que ele se torne o “novo Robinho” ou o “novo Neymar”. Estrelas e promessas à parte, alguns jogadores simplesmente não levam rótulos.

LEIA MAIS:
“SEREI UM JOGADOR AINDA MAIS PREPARADO”, DIZ LUCAS OTÁVIO SOBRE NOVO EMPRÉSTIMO
METADE DAS DERROTAS RECENTES DO CORINTHIANS FORAM PARA O SANTOS; VEJA LISTA
VEJA OS GOLS E MELHORES MOMENTOS DE CAPIVARIANO 3 X 5 SANTOS
VEJA COMO O SANTOS FICA NA TABELA DO PAULISTÃO APÓS A 14ª RODADA
OPINIÃO: ESTE É O MEU MELHOR SANTOS DE TODOS OS TEMPOS

Alguns nem sempre conseguem ser aproveitados de imediato entre os profissionais. Dessa forma, certos atletas acabam sendo emprestados para equipes inferiores, onde podem se amadurecer e conquistarem ritmo de jogo a fim de se estabelecerem entre na equipe principal posteriormente.

Diferentemente dos outros casos, Alisson não precisou mudar de cidade: o zagueiro, que estava no Sub-23 do Santos, faz parte do “pacotão” emprestado à Portuguesa Santista no começo do ano. A partir do próximo dia 17, a Briosa inicia sua caminhada na segunda divisão do Campeonato Paulista.

Como o clube ainda está em fase de preparação para o estadual, Alisson sente que ainda irá melhorar o seu ritmo de jogo. “Ainda é difícil analisar a minha evolução. Fizemos dois amistosos até aqui e julgo ter ido bem, mas ainda é preciso de mais testes”, antecipa.

Continuar na Baixada Santista, no entanto, foi um fator positivo no empréstimo do zagueiro. “Permanecer na cidade facilitou a minha adaptação ao novo clube (Portuguesa), mas a maior vantagem é estar perto das comissões dos times B e principal do Santos. Isso minimiza a distância entre nós”, confessa.

Como aprendizado dessa experiência em outro clube, Alisson espera ter êxito em diversos aspectos. “Pretendo amadurecer como atleta, visto que ainda preciso evoluir muito para voltar ao Santos e ter oportunidades no time principal”, reitera. “Como pessoa, penso em sair da Portuguesa pela porta da frente, tendo a certeza de que, no tempo em que aqui estive, fiz o meu melhor sem ‘pisar’ em ninguém”, complementa o zagueiro.

Religioso, o atleta de 21 anos quer, por meio do futebol, levar às pessoas o que, para ele, realmente importa: o conhecimento de Jesus. “Se for pelo Santos, será ótimo. Farei o possível para que isso aconteça. Adiante, já mais experiente, gostaria muito de poder jogar no futebol europeu”, conclui.



Jornalista formado pelo Mackenzie (SP), pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Multimídias e pós-graduando em Assessoria de Comunicação e Mídias Sociais pela Anhembi Morumbi (SP). Apaixonado por esportes desde 1994.