Uma grande perda que poucos lembraram

Pupo Gimenez durante a passagem pelo São Paulo. Crédito da Foto: Reprodução/Twitter Oficial São Paulo FC

Num fim de semana que foi marcado por homenagens para Johan Cruyff e falecimento de Cesare Maldini, outro grande personagem do futebol também se foi e poucos o lembraram…Antônio Maria Pupo Gimenez. Um dos maiores reveladores de talentos do futebol nacional.

LEIA MAIS:
BARCELONA REVELA CAMISA COM HOMENAGEM A CRUYFF QUE SERÁ USADA CONTRA O REAL MADRID

Pupo Gimenez, como era mais conhecido, nasceu na cidade de Presidente Alves no interior do Estado de São Paulo, em 31 de Agosto de 1931 e veio a falecer em Marília no último dia 2 desse mês de Abril.

O trabalho nas categorias de base depende de uma grande sensibilidade. Não apenas para observar os jogadores e lapidar seus talentos, mas também para lidar com seres humanos em uma fase decisiva e um tanto quanto complicada da vida. Mais do que treinador, é preciso também ser um educador. E  foi assim que Pupo Gimenez costumava ser para os muitos atletas que se desenvolveram sob os seus cuidados. Como técnico, observador e coordenador de categorias de base, tornou-se um dos profissionais mais respeitados do país. Ajudou a revelar uma geração de craques, muitos deles com passagem pela seleção brasileira.

Gimenez iniciou sua carreira na várzea e treinou clubes menores antes de chegar ao Marília. Por lá, esteve por oito anos nas mais variadas funções, quase sempre ligadas à base. Ajudou a equipe a conquistar a Copa São Paulo no ano de 1979 e formou promessas como Márcio Rossini e Jorginho. Sucesso reconhecido que o fez ir para o Guarani em 1982. A partir daquele momento, aprimorou uma das divisões inferiores mais produtivas do Brasil.

Nas diferentes passagens pelo Brinco de Ouro, Gimenez chegou a treinar até mesmo a equipe principal. Mas seu principal trabalho era na base. Por suas mãos, passaram nomes como Zetti, Evair, João Paulo, Mauro Silva e Amoroso. Em 1994, era o treinador da equipe que conquistou a Copa São Paulo com Pitarelli e Luizão entre os destaques, e que depois renderia frutos ao time principal do Bugre, que foi semifinalista e dono da segunda melhor campanha geral no Brasileiro daquele mesmo ano.

Além disso, ele tinha um carinho todo especial por Neto. Pupo foi um dos maiores incentivadores do jogador, trabalhando o seu talento. Nos tempos de juvenis, chegou a dar fotos de Puskás ao garoto, para tentar contornar seu problema com o peso e ter uma fonte de inspiração. “O Neto era muito genioso, mas sempre foi autêntico. É claro que deixava alguns técnicos de cabeça quente. Mas comigo ele se portava bem. Aliás, orgulho-me de dizer que ele me considera seu segundo pai. Quem não o conhece pessoalmente, não sabe a magnífica figura que é. O Neto tem o coração maior que o peito”, declarou em 2009, ao Jornal Diário de Marília.

Pupo Gimenez também teve passagens por São Paulo, Bragantino e Corinthians no qual ganhou a Copa São Paulo de Juniors em 1995, fato que o levou a treinar a seleção brasileira sub-20 nos Jogos Pan-Americanos de 1995. Nestes clubes, lapidou Cafu, Antônio Carlos, Doriva, Sylvinho, entre outros. Também serviu de olhar apurado na base para técnicos de renome, a exemplo de Ênio Andrade, Vanderlei Luxemburgo, Carlos Alberto Parreira e Cilinho. Respaldo que o manteve na ativa até meados da década passada. Neste sábado, no entanto, a vida do mestre chegou ao fim. Aos 84 anos, sofrendo com a depressão, o respeitado profissional cometeu suicídio. Deixou sua lembrança e uma enorme contribuição para o futebol nacional, com tantos craques que passaram por seus cuidados.

No São Paulo Futebol Clube foi técnico interino nas seguintes oportunidades: 19/06/1988 a 09/11/1988 e em 24/09/1989. Foi integrante da comissão técnica Campeã Paulista de 1989, foi também técnico interino de 29/03/1989 a 09/04/1989 e de 15/04/1990 a 27/05/1990. Nos 18 jogos em que comandou o time obteve 8 vitórias, 7 empates e 3 derrotas.

Antes da partida São Paulo x Oeste pelo Campeonato Paulista, houve 1 minuto de silêncio em seu nome. Seu falecimento foi noticiado em alguns sites, mas na grande mídia não houve tanto destaque para quem vivenciou o futebol por tanto tempo.