Visão da arquibancada: Santos jogou apenas o necessário

(Foto: Reprodução/Flickr Santos FC)

Estive, no último sábado, na arquibancada da Vila Belmiro prestigiando a partida entre Santos e São Bento. A proposta do Torcedores.com é que expressemos as nossas impressões do jogo antes de acessarmos qualquer análise sobre a partida, de forma que consigamos trazer à público o sentimento do torcedor, sem filtros. Com isso, a ideia é expor o espírito do torcedor e o autêntico ambiente do estádio. Neste texto, vou dividir com vocês minhas percepções sobre o jogo único das quartas de final.

LEIA MAIS

Você viu? FIFA e Corinthians estão entre aqueles que felicitaram o Santos

Especial: Santos 104 anos de história

Santos 104 anos: 104 motivos para ser santista

O clima estava agradável na Vila Belmiro, quando cheguei já haviam muitos torcedores, mais tarde seria anunciado um público de 12.051 presentes. Desde o início da partida, o Santos buscou implantar o domínio da posse de bola e pressionou o São Bento visando o primeiro gol. O São bento se mantinha postado na defesa, aparentemente com a estrategia de se defender e jogar por uma bola. O Santos pressionava, mas falhava no último passe e nas finalizações. Lucas Lima dava o ritmo do jogo, se movimentando e girando a bola no meio de campo. As jogadas ficaram muito concentradas no lado direito, acionando Victor Ferraz e Gabriel, em noite pouco inspirada.

Em alguns momentos Gabriel e Vitor Bueno praticaram a inversão de posicionamento, em alguns deles os dois jogadores acabaram caindo pela direita, já que o lado esquerdo era o mais frágil do São Bento. Esses instantes de concentração à direita sobrecarregavam Zeca, que ficou mais concentrado na marcação durante a partida, mas foi justamente em um desses momentos que saiu o primeiro gol do Santos. Vitor Bueno tabelou com Gabriel e, com domínio e frieza, caprichou na finalização e fez o primeiro gol santista, para delírio da torcida, que explodiu em comemoração na Vila Belmiro.

Depois do gol, o Santos diminuiu um pouco o ritmo, mas o São Bento não ameaçava o gol de Vanderlei. Como o São Bento não atacava incisivamente a ponto de oferecer o contra-ataque, o Santos tentou um sprint no final do primeiro tempo. O que acabou dando certo, depois de insistir e perder algumas boas chances de marcar, o alvinegro praiano chegou ao segundo gol em jogada na qual Vitor Bueno foi oportunista e aproveitou o bom cruzamento de Ricardo Oliveira. O Santos fazia 2 a 0. Com as muitas chances perdidas, o placar foi pequeno e não representou o que foi esse tempo de jogo.

No segundo tempo, o Santos nitidamente tirou o pé e visou apenas o controle do jogo. O São Bento, com a desvantagem estabelecida, até tentou arriscar mais e chegou a ter possibilidades de ser mais contundente, mas pecava muito no último passe e nas finalizações. A movimentação no meio de campo e a armação de jogadas ficou ainda mais dificultada com a saída de Lucas Lima, que foi preservado pelo técnico Dorival Júnior. Desde o primeiro tempo os jogadores do São Bento eram ríspidos em algumas jogadas, principalmente em lances sem a bola, aqueles que não aparecem na TV. O Santos, por vezes, respondeu a essas intimidações com provocações com a bola, como as várias embaixadinhas de Lucas Lima. Eu, particularmente, prefiro. Sem qualquer esforço no segundo tempo e jogando apenas o suficiente para garantir o resultado, o Santos confirmou o placar de 2 a 0.

Quando pressionou e acelerou o jogo, o Santos colocou o São Bento nas cordas e fez o resultado. O grande questionamento que ficou em minha mente, como torcedora, é a necessidade de mantermos essa consistência no jogo por um longo período, em jogos com adversários mais qualificados e, principalmente, fora de casa. As inversões de posicionamento, como ocorreu com Gabriel e Vitor Bueno podem ser boas opções para abrir espaço em defesas mais bem postadas. A polivalência que eu já conhecia de Vitor Bueno, mas aplicada em plenitude na partida, me chamou bastante a atenção: o jogador pode atuar como volante, meia ou atacante e pode ser uma peça muito importante para a mudança de estilo ou de formação da equipe, em caso de necessidade em uma partida. Resumindo, o Santos jogou para o gasto e foi o suficiente para garantir novamente a vaga em uma semifinal de Paulistão.

Crédito da foto: Reprodução/Flickr Santos FC

Veja outras postagens por Janaína Santista.

Twitter: @santistajanaina

Perfil Facebook: Janaína Santista  – Página Facebook: Janaína Santista