Dinei critica nova geração de jogadores: ‘Todos robozinhos’

Corinthians
Crédito de imagem: Reprodução/TV

O sempre polêmico, Dinei, deu uma entrevista exclusiva ao torcedores.com criticando a nova geração de jogadores e as coletivas de imprensa. A entrevista foi concedida em uma partida do elenco máster do Corinthians em Franco da Rocha, São Paulo.

Leia mais:
LEMBRA DELE? DINEI, O EX-JOGADOR QUE VIROU ESTRELA DE REALITY SHOW

Dinei esteve ao lado de outro grandes ídolos do Corinthians como Marcelinho Carioca, Vampeta, em uma partida máster beneficente em cidade da Grande São Paulo, quando perguntado sobre a nova geração de jogadores, também conhecidos como: ‘ futebol moderno’, o jogador de 45 anos que conquistou pelo Corinthians, Campeonato Paulista 1999. Campeonato Brasileiro 1990, 1998, 1999. Campeonato Mundial 2000, não mediu palavras:

‘Quem começou com a chuteira colorida e o cabelo pintadinho fui eu, mas hoje já não é mais a mesma coisa, essa mesmice não dá, eles são muito robozinhos, muito certinhos, sabe? Na minha época não tinha essas p… de coletiva de imprensa, respondem todos como robozinhos. E posso falar uma coisa? Tudo pé de rato, tudo ruim. Pronto falei’, Dinei ainda finalizou com o seu famoso som: ‘Auô’.

Bárbara Scarelli/Torcedores.com
Bárbara Scarelli/Torcedores.com

Dinei sempre foi a arquibancada, o torcedor dentro de campo. É filho de corintiano (Dinei é filho do Ney, craque do Timão nos anos 60) e cria do terrão. Aos 20 e poucos anos, Dinei conseguiu o sonho de todo jogador da base como ele foi, conseguiu crescer no seu time do coração, foi ídolo, foi campeão e ganhou o reconhecimento da fiel torcida.

Durante a carreira, passou por dramas como o resultado positivo no exame antidoping por uso de cocaína. Foi suspenso em 1996, ficou seis meses longe dos gramados mas conseguiu voltar à ativa.

O Talismã da Fiel, chegou até a ter grito da torcida Gaviões da Fiel , ‘Ei ei ei Dinei é da fiel’, faziam coro. Além de jogador, foi candidato a deputado por São Paulo e participante de reality show.



Formada em jornalismo pelo Mackenzie, demorei anos para perceber que dá, sim, para ir atrás dos sonhos e trabalhar com o que se gosta: o esporte. Hoje me divido entre o esporte e a política. Nunca vou me conformar com os que dizem: "É só futebol.."