Equipe Máster do Corinthians reclama de falta de camisas

master corinthians
master corinthians

A equipe máster do Corinthians realizou partida no dia (1) de maio, desta vez em Franco da Rocha, cidade da Grande São Paulo. O jogo aconteceu no campo que leva o mesmo nome do clube só que em diminutivo e sem o h: Corintinhas do Pouso Alegre, nome do bairro em que o campo se localiza.

Leia mais:

VAMPETA REVELA OS 5 JOGADORES QUE MAIS BEBIAM E COLOCA RONALDO EM PRIMEIRO

O time Máster do Sport Club Corinthians Paulista foi oficializado em 1998 para atender ex-atletas que vestiram a camisa do Timão, com intuito de alegrar as cidades visitadas, realiza além dos eventos esportivos,palestras de incentivo e exibições futebolísticas. Hoje, a equipe conta com 155 jogadores.

Entre eles, estão: Guinei, Ezequiel, Gilmar Fubá, Zenon, Dinei, Ronaldo Giovaneli, Biro Biro, Neto, Edson Pezinho, Nilson, Tozin, Paulo Sérgio e Aguinaldo. Com Basílio como técnico e organizador, fazem jogos por todo o país, sem esquecer da Responsabilidade Social.

Neto, Dinei, Basílio, Vampeta, Biro-Biro, Ataliba, Vitor, Serginho Chulapa, Zé Maria, Gilmar Fubá, Aguinaldo, Batata, Wladimir, foram alguns dos presentes. Os jogadores reclamaram que a equipe do máster só recebe dois jogos de uniforme para todo o ano, o que dificulta na logística e além disso não permite a troca de camisas entre os times. Ademais, os jogadores ressaltaram que também seria importante que o clube disponibilizasse brindes para que os torcedores fossem agradados: ” Não custava dar um ‘chaveirinho’ alguma coisa, a torcida quer isso e fica feliz em ganhar um agrado de seus ídolos”, disse Aguinaldo.

O jogo em Franco da Rocha, também teve sua parte social e a entrada era um 1kg de alimento, ou 1 agasalho em bom estado, toda a arrecadação será revertida ao Fundo Social da cidade.

Ao confirmar os presentes em seu facebook, o apresentador Neto, aproveitou para dar mais uma alfinetada em Felipe Melo

 

 

 



Formada em jornalismo pelo Mackenzie, demorei anos para perceber que dá, sim, para ir atrás dos sonhos e trabalhar com o que se gosta: o esporte. Hoje me divido entre o esporte e a política. Nunca vou me conformar com os que dizem: "É só futebol.."