Mattos nega problemas internos com Robinho e diz que troca foi por “questão técnica”

Foto: Cesar Greco / Ag.Palmeiras

Alexandre Mattos participou do programa Mesa Redonda, da TV Gazeta, neste domingo (1), e entre os assuntos abordados, o diretor do Palmeiras explicou a troca de Lucas e Robinho por Fabrício e Fabiano, do Cruzeiro. O dirigente fez questão de desmentir que a saída dos jogadores tivesse alguma relação com problemas de relacionamento com o grupo.

A negociação envolvendo o Robinho realmente foi uma questão técnica e tática do treinador. O Robinho é um cara sensacional, humilde. Não existiu racha no grupo, até porque se existisse era fácil resolver”, explicou Mattos.

Questionado sobre a qualidade das contratações do Palmeiras, Mattos usou exemplo do rival Corinthians para explicar a situação. “O Corinthians contratou o Romero há dois anos, ele passou por uma fase ruim e hoje a torcida grita o nome dele nas arquibancadas. O mesmo acontece com o Rodriguinho, que hoje é peça fundamental. A gente faz contratações pensando no futuro também.”

Sobre o pré-contrato com Tchê Tchê, do Audax, o diretor fez questão de afirmar que o Palmeiras agiu de acordo com a regra. “O Palmeiras agiu dentro da regulamentação da CBF para contratar o Tchê Tchê. Liguei para o Vampeta, ele me passou todas as informações, tudo certo.”

Mattos ainda lamentou o fato de ser cobrado apenas por contratações. “No Brasil, o diretor executivo é cobrado por contratação, mas no dia a dia se tem muito mais obrigações do que isso no departamento de futebol”, completou.