Segundo portal, Morumbi vira centro de polêmica com a Prefeitura de SP. Entenda!

Igor Amorim / saopaulofc.net

O estádio do Morumbi pode virar o centro de uma polêmica envolvendo o São Paulo e a Prefeitura da cidade homônima. A Prefeitura, através da Procuradoria Geral do Município, irá á Justiça para tentar anular o acordo que cedeu o terreno em que o campo são-paulino foi construído, feito na década de 1950, alegando que o Morumbi foi construído em uma área que havia sido designada como ‘área de uso público’. A informação é do Globoesporte.com 

LEIA MAIS

MERCADO DA BOLA: SÃO PAULO TEM INTERESSE EM ÉVERTON RIBEIRO E MAURÍCIO RAMOS

PRECISANDO DE UM MILAGRE, TOLUCA COMEÇA A VENDER INGRESSOS PARA DUELO NA LIBERTADORES

AOS 35 ANOS, LUGANO DIZ QUE FICOU EM DÚVIDA SE DEVERIA VOLTAR AO SÃO PAULO

Luís Felipe Ferreira Mendonça Cruz, procurador responsável pela ação, a área da região onde o Morumbi foi erguido se localiza em um loteamento cedido pela Prefeitura em 1951 à uma empresa (a Empresa Mercantil & Comissionária Merco S/A) para a construção de casas residenciais. O Morumbi ficaria, segundo a reportagem, em um terreno que o projeto designava como ‘Área Livre D’, onde os planos da Prefeitura de SP eram construir uma praça pública nos 100 mil metros quadrados de sua extensão.

No entanto, uma outra empresa, a Imobiliária Aricanduva, adquiriu o loteamento (de cerca de 2,3 milhões de metros quadrados) e enviou um pedido em forma de petição para que a Prefeitura considerasse a doação da área para a construção do Morumbi. O pedido foi negado originalmente pelo Departamento de Urbanismo, mas o presidente do São Paulo à época (e que também dá nome ao estádio) Cícero Pompeu de Toledo, conseguiu convencer a prefeitura de doar o terreno antes designado para a tal praça para que ali o campo são-paulino fosse construído.

De acordo com o Globoesporte, a prefeitura alega que a área já era considerada ‘patrimônio público’ mesmo antes da cessão do terreno para o São Paulo. Com isso, a titularidade do terreno seria da Prefeitura, o que inviabilizaria a doação para um ente particular.

Ainda não há previsão se o processo terá prosseguimento e de quando sairá uma decisão, que poderia se estender por anos. Uma outra entidade, Associação Sociedade dos Amigos da Vila Inah e Jardim Leonor, chegou a ir à Justiça com uma ação que também questiona a legalidade da doação do terreno do estádio, com pareceres do Ministério Público e da Prefeitura de São Paulo apontando irregularidades na cessão da área.

(Crédito da foto: Igor Amorim / saopaulofc.net)