Tchê Tchê vai ganhar 8 vezes mais no Palmeiras do que recebe no Audax

Palmeiras
Tchê Tchê - Foto: Renato Silvestre/ Osasco Audax

Destaque no Osasco Audax na campanha do Campeonato Paulista, o polivalente Danilo Tchê Tchê, que pode atuar tanto na lateral quanto no meio de campo, já assinou pré-contrato com o Palmeiras para as próximas temporadas e vai receber pouco mais de oito vezes do que recebe atualmente. Mesmo assim, para os padrões de clubes grandes do Brasil, o novo ordenado do jogador não será exorbitante.

LEIA MAIS:

PRESIDENTE DO PALMEIRAS COMENTA SOBRE NÍVEL DO PAULISTÃO E LEVA “INVERTIDA” DE VAMPETA

TREINADOR DO AUDAX CRITICA PALMEIRAS E CORINTHIANS POR ASSÉDIO A JOGADORES

MERCADO DA BOLA: SÃO PAULO TEM INTERESSE EM ÉVERTON RIBEIRO E MAURÍCIO RAMOS

VÍDEO: TORCEDORES FAZEM MOSAICO IMPRESSIONANTE DE “GAME OF THRONES” NA MLS

MERCADO DA BOLA: REFORÇO COLOMBIANO JÁ TEM DATA PARA CHEGAR AO PALMEIRAS

MERCADO DA BOLA: CRICIÚMA AVISA PALMEIRAS QUE QUER JUNINHO

De acordo com informações do jornalista Luis Carlos Quartarollo, da rádio Jovem Pan, Tchê Tchê recebe atualmente R$ 12 mil e passará a receber R$ 100 mil. Segundo o experiente  repórter, Vampeta, presidente do próprio Audax, que participou do programa “Esporte em Dicussão”, nesta segunda-feira (2) na rádio paulista, foi quem confirmou os valores.

O ex-jogador inclusive isentou o Palmeiras de qualquer irregularidade na contratação do jogador de 23 anos. “O Palmeiras não agiu errado. Podiam ter feito [pré-contrato] em janeiro já”, explicou Vampeta, lembrando que a legislação esportiva libera os atletas a assinarem um pré-contrato com outras equipes desde que o atual vínculo tenha validade menor do que seis meses. Tchê Tchê de acordo com o Audax até dia 8 de maio, data do segundo jogo da final do Paulistão.

O ex-jogador do Corinthians ainda esclareceu a “bronca” que o dono do clube de Osasco, Mário Teixeira, teria dado em Tchê Tchê na véspera do primeiro jogo da decisão. “Ele [Mário Teixeira] entrou gesticulando no treinamento para lembrar daquela situação do Rui Rei, ex-Ponte Preta, na final de 1977, contra o Corinthians. Imagina se o Tchê Tchê vai para o Santos e erra aquele passe na final. Ficaria marcado”, disse o cartola.

No terceiro e decisivo jogo da final do Paulistão de 1977, em que o Corinthians venceu a Macaca e acabou com uma fila de 23 anos sem títulos, o atacante Rui Rei foi expulso logo no início do jogo por supostamente ter ofendido o árbitro da partida. Meses depois, em abril de 1978, ele se transferiu para o Corinthians e a polêmica de que estava “vendido” foi criada.