5 lições que o Botafogo teve nas últimas rodadas do Brasileirão

Botafogo
Crédito de imagem: Vítor Silva/SSPress/Botafogo

 

O Botafogo teve dois grandes desafios nas últimas duas partidas pelo Campeonato Brasileiro. Uma partida contra o Atlético-MG, embalado depois de três vitórias, em Belo Horizonte; e outra diante o combalido Santa Cruz, em Juiz de Fora. Algumas lições o Glorioso pode ter tirado dessas duas rodadas.

Leia Mais: Com retorno de lesionados, Botafogo deve ter time “ideal” contra

Camilo sente lesão e preocupa Botafogo para sábado

Mercado da Bola: ex-meia do Atlético-MG está sem clube e quer retornar ao Brasil

1/ O Botafogo deve entrar ligado na partida, bem como terminar e reiniciar os tempos: Contra o Galo mineiro foi um gol aos 12 segundos e outro aos 46, a instantes de acabar o primeiro tempo no Mineirão. Na volta, levou outro gol aos 2 minutos, o terceiro. Ainda levaria gol aos 44 minutos. Mesmo o time carioca fazendo dois após os 42 minutos, o fato mostra que o Glorioso demora a entrar na partida, o que pode ser fatal, bem como, “desliga” rápido demais. Contra o Santa Cruz, o Bota pareceu entrar ligado, quando marcou a pouco mais de 1 minuto, mas levou gol aos 2’ do segundo, o que revelou, mais uma vez, a displicência do alvinegro nos minutos iniciais dos tempos.

2/ Camilo veio pra ajudar, mesmo: foi um gol e duas assistências em três partidas desde sua estreia. Além disso, um fato animador para um time que parecia não gostar de marcar gols: nas três partidas de Camilo com a camisa do Glorioso, foram 8 gols feitos. Contudo, foi nítida a queda de rendimento da equipe sem o camisa 10, sobretudo contra o time pernambucano. Ricardo Gomes deve se atentar a não criar uma dependência do time para o jogador. Rodrigo Pimpão deve suprir a falta do armador, numa eventual lesão ou suspensão.

3/ Joel Carli e Airton fazem falta: e para o caso do volante não é falta no jogo e sim a sua presença. O zagueiro atuou somente 61 minutos neste Brasileirão, diante o Sport, e Airton voltou a sofrer com a lesão que o tirara do campeonato Carioca, não conseguindo uma sequência regular. Tanto o Argentino quanto o meia mostraram segurança e muita regularidade no estadual e cativaram a torcida. Carli surpreendeu as expectativas, que eram baixas no início do ano, quando contratado; e Airton venceu a desconfiança da torcida, que o perseguia com seu passado violento. Se foram 8 gols feitos nas últimas 3 partidas, foram outros 8 sofridos. A defesa carioca vinha consistente com a escalação dos dois jogadores como titulares.

4/ Sassá pode ser o centro-avante ideal para o time: Sassá não é uma unanimidade, sequer um primor de atacante, mas vem convencendo com muita raça e entrega dentro de campo. Foram seis gols até agora no Brasileirão e se continuar a boa sequência e nem sofrer muito com o desgaste pós-lesão – como parece sofrer – a torcida tem tudo para esquecer Ribamar, vendido a um time grego por R$9 milhões.

5/ O time pode surpreender positivamente: fora detalhes técnicos que podem ser solucionados, o time de Ricardo Gomes tem tudo para fazer uma campanha mais regular do que a apresentada até agora. Mesmo com a derrota diante o bom time do Atlético Mineiro, o Botafogo não deixou de mostrar força ofensiva e organização do elenco em campo – característica esta que vinha desde o Campeonato Carioca. Contra o Coritiba na próxima rodada – no sábado (9/07) –, o Fogão vai ter mais uma “prova de fogo” (com perdão do trocadilho). Se jogar como vem jogando e acertar nas eventuais falhas, o time tem tudo para comemorar mais três pontos fora de seus domínios.