Após UFC 200, Anderson Silva agradece Cormier e chora ao falar de amigo

Anderson Silva
Foto: Getty Images

Após se “sacrificar” e assumir o lugar de Jon Jones no UFC 200 após o norte-americano ser pego no doping, Anderson Silva não foi páreo para Daniel Cormier e perdeu por decisão unânime dos juízes (triplo 30-26). Na coletiva pós-luta, Spider explicou o motivo de ter escolhido lutar na categoria acima da sua e ainda chorou ao falar de seu amigo.

Durante a luta, Anderson Silva foi muito ovacionado pela torcida presente em Las Vegas e após o fim do duelo contra Cormier, Spider foi carregado por Katel Kubis, seu treinador de muay thai. Na coletiva, o lutador brasileiro não segurou as lagrimas ao falar de seu amigo de longa data.

“Eu não espero nada em troca do UFC. Vim aqui fazer o meu trabalho, e nunca lutei por dinheiro. Claro, todos trabalhamos e tenho que receber por isso. Mas vim fazer o que eu gosto. Lutar é o meu ar, é o que eu vivo dentro de mim. Não estou preocupado com bônus e nem com dinheiro. Estou feliz com tudo que eu consegui. Quero agradecer aos meus treinadores, e especialmente ao meu amigo Katel, que se formou comigo há muito tempo. Estou até emocionado, irmão. Obrigado à American Top Team por ter cedido você para me ajudar“, disse Anderson, com os olhos lacrimejando.

Anderson também disse não ter se arrependido de ter “aceitado” a luta seis semanas depois de ter sido submetido a cirurgia na vesícula, e ainda agradeceu Cormier por ter aceito o duelo quando poderia ter recusado.

“Em nenhum momento isso passou pela minha cabeça. Quando soube que o Jon tinha saído da luta, eu liguei para o meu empresário e disse que queria me testar. Minha família me achou louco. Eu aceitei o desafio porque era importante me testar. Eu não quis aceitar os cinco rounds porque não treinei absolutamente nada, nem um dia, depois da cirurgia. Eu fiz isso outras vezes para ajudar o evento. Aqui é uma composição, que é uma coisa que eu gosto de fazer. Estou feliz com o UFC e com o que ele me proporciona, apesar de ter meus arranca-rabos com eles, que é normal. Mas seria um desrespeito com o campeão e com o Jon Jones eu aceitar lutar com ele pelo título não tendo treinado nada. E quero agradecer ao Cormier por aceitar lutar comigo, porque ele poderia não aceitar”, afirmou.

 



Jornalista. Como todo torcedor também gosto de dar meus pitacos. Fã da seleção italiana, do Milan e do Arsenal.