CBF entrega série de novas recomendações a árbitros do Brasileirão

Crédito da imagem: Cláudio Freitas / CBF

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) entregou nesta semana aos árbitros que apitam jogos das quatro divisões do futebol brasileiro uma nova lista de recomendações feita pela Comissão de Arbitragem da entidade. Ao todo, são treze orientações feitas pela Conaf.

LEIA MAIS

FIFA 17: Sistema de Inteligência Ativa oferece novas opções no ataque

Revelação retorna ao Corinthians após empréstimo para time de Portugal

Análise: China foi bondosa com o futebol brasileiro na janela do meio do ano

A lista está no site oficial da Confederação, com treze recomendações a serem feitas para os árbitros com o intuito de ‘reforçar a aplicação da regra’ e de ‘melhorar a qualidade do jogo para o torcedor no estádio e para o que assiste ao jogo na TV’.

A maioria das recomendações tem a ver com caráter disciplinar, visando manter a regra de evitar reclamações de jogadores durante as partidas e manter o jogo rolando mais tempo. Segundo números da entidade, a média de tempo de bola rolando até o momento no Brasileirão 2016 é de 55min40s, pouco mais de um minuto maior do que a de 2015 (54min05s).

Sérgio Corrêa, presidente da Comissão de Arbitragem, explicou as novas orientações feitas pela arbitragem e os objetivos delas durante as partidas.

“Nossa meta é ajudar a melhorar o jogo para todos, tanto dentro como fora de campo. É importante terminar com alguns mitos que são criados e depois absorvidos pela opinião pública. Não existe essa coisa da CBF orientar para não marcar falta. Se há 20, 50, 100 ou 200 faltas em um jogo, elas devem ser marcadas. Outro ponto importante é a questão da conversa. Claro que jogador pode conversar com o árbitro, mas não pode extrapolar”, afirmou.

Confira a lista de orientações feita pela Comissão de Arbitragem da CBF (retiradas do site oficial da entidade).

NÃO SE DEVE ACEITAR, EM HIPÓTESE ALGUMA:

1 – Rodinhas de jogadores reclamando.
2 – Dedo em riste.
3 – Gritaria no ouvido.
4 – Jogador pedindo cartão para o adversário.
5 – Simulação.
6 – Treinador gesticulando para jogar a torcida contra a arbitragem.
7 – Reclamações flagrantes contra o árbitro assistente.
8 – Integrante do jogo “mandando” o árbitro consultar o assistente. 

ATENÇÃO PARA:

1 – Bola no local correto para a cobrança do escanteio (tiro de canto).
2 – Laterais cobrados muitos metros à frente do local em que a bola saiu.
3 – Goleiros demorando mais do que 6 segundos para recolocar a bola em jogo.
4 – Agarra-agarra na área.
5 – Na arquibancada, apenas faixas que incitem a violência não são permitidas.

(Crédito da foto: Cláudio Freitas / CBF)