Corinthians de Cristóvão troca menos passes que o time da “Era Tite”; entenda

Corinthians
Foto: © Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians

Cristóvão Borges foi anunciado como novo técnico do Corinthians no dia 19 de junho e, após a assinatura de contrato, seguiu rumo a Arena Corinthians para assistir a vitória por 3 a 1 contra o Botafogo. Ali, começou a buscar uma forma de colocar sua filosofia de trabalho na equipe deixada por Tite e detectou que o time trocava muitos passes, fazia faltas bobas e pouco finalizava.

LEIA MAIS:
MERCADO DA BOLA: EMPRÉSARIO DE MARLONE REVELA POR QUE O JOGADOR DESISTIU DO SPORT
SEM GANSO E KELVIN, TRICOLOR RELACIONA 22 JOGADORES PARA ENFRENTAR O ATLÉTICO NACIONAL
VÍDEO: MARINHO “TROLLA” REPÓRTER AO SER PERGUNTADO O QUE FALTOU PARA O VITÓRIA BALANÇAR AS REDES

Quase um mês após a estreia no comando do time, passado cinco jogos, com quatro vitórias e uma derrota, muitos comentaristas insistem em dizer que o treinador ainda não colocou seu dedo no time. Para tirar a dúvida, o Torcedores.com buscou dados do Timão no Foostats e encontrou outra versão: a que o treinador tem mexido na forma da equipe atuar.

TIME DE TITE TROCAVA MUITOS PASSES

Crédito da foto: Reprodução/Footstats
Crédito da foto: Reprodução/Footstats                                                                        Tite treinou o Timão até a 7ª rodada. Cristóvão assumiu a partir da décima

A primeira mudança visível no time de Cristóvão é na forma que troca de passes. Com Tite, a equipe girava a bola de um lado para o outro em campo, na busca por um espaço na defesa adversária. Com Borges, o time está sendo mais agudo nas trocas de passes. A bola é toda trabalha na faixa central e esticada na frente para alguém em condições de finalização.

Marquinhos Gabriel fez gol assim na Chapecoense. Guilherme balançou as redes do Flamengo com uma bola vinda de Romero da meia direita. Segundo dados do Footstats, o número de passes certos do Corinthians de Cristóvão é de 349 por partida. A média que Tite somou até sair para a Seleção Brasileira era de 450 passes. Essa mudança não trouxe alterações na forma de jogar da equipe, mas colocou o time para jogar mais ofensivamente.

A intervenção do novo comandante em fazer a bola chegar esticada de trás mantem a triangulação treinada a exaustão por Tite, mas explora o lado individual dos corintianos. Sob os comandos de Cristóvão, o Corinthians tem media de 10 dribles por jogo, sendo seis corretos.

MARCAÇÃO FORTE, QUE CERCA E NÃO COMETE FALTAS

Tite comandou o Timão até a 7ª rodada. Cristóvão assumiu a partir da décima
Crédito da foto: Reprodução/Footstats

A mudança na postura ofensiva também tem reflexo na forma de marcar. Não existe mais aquela volta desenfreada dos avantes após um lance de ataque para compor a marcação. Cristóvão adaptou o cada “pega o seu” no esquema deixado e isso faz com que time cometa poucas faltas. O site responsável por reunir dados estatísticos do Brasileirão aponta que o Corinthians de Tite tinha media de 14 faltas por jogo, contra 10 de nova era de Cristóvão.

RESUMINDO: Cristóvão Borges mantem a estrutura montada pelo atual técnico da seleção brasileira, mas mexeu em pequenos pontos para dar a sua cara ao time. Sem tirar a compactação da equipe, o novo treinador faz com que o Corinthians trabalhe a bola em velocidade no meio de campo e explore as descidas em velocidade pelos lados de Marquinhos Gabriel e Romero.

DIFERENÇA PARA TITE: o Timão da era Tite descia para o ataque em bloco. O três meias trocavam passes de um lado para o outro, apoiados pelos laterais, até surgir um espaço no time adversário. Cristóvão mexeu no meio de campo de forma que não existe mais a subida em massa, mas que as triangulações continuam seguidas de passes longos.

Com 28 pontos, o Corinthians está a um ponto do líder Palmeiras. Sem jogo no meio de semana, a equipe de Cristóvão Borges tem tempo livre para se preparar para o clássico contra o São Paulo no próximo domingo, às 16h, na Arena Corinthians.



Jornalista com passagens pelo Portal R7, Jornal do Trem, Impacto Comunicação, Dialoog Comunicação e Comunicale.