Ex-presidente do Palmeiras diz que Corinthians não conseguirá naming rigths para Arena: “não vale nada”

Palmeiras
Foto: Reprodução/TV Cultura

O duelo entre palmeirenses e corintianos não acontece somente dentro das quatro linhas e em Derbys Paulistas. Grande rivalidade no Estado de São Paulo, ambas equipes tiveram suas arenas prontas no mesmo ano e comparações não faltaram.

Novo Palestra Italia, o Allianz Parque foi reinaugurado em novembro de 2014, seis meses depois que a Arena Corinthians, inaugurada em maio. Os modelos de negócio das arenas são diferentes. Enquanto o Palestra tem toda a receita para si, o Timão tem de repassar o dinheiro arrecado nos jogos para pagar a Arena. Em contrapartida, o alvinegro pode mandar todos os jogos em sua casa, enquanto o Verdão não tem preferência para atuar em sua casa se a WTorre marcar algum evento.

Entrevistado pelo UOL, o ex-presidente do Palmeiras, Luiz Gonzaga Belluzzo, que firmou a construção do Allianz Parque em 2010 comentou sobre as diferenças das duas arenas e fez questão de dizer que a palmeirense é mais rentável e melhor. Para o ex-mandatário, inclusive, tem um claro motivo para a Arena Corinthians não ter conseguido um naming rigts até agora.

“Tem que se levar em conta as circunstâncias e os aspectos de negócio. O Corinthians deve uma grande quantia por causa do estádio, enquanto o Palmeiras só recebe, só tem participação nas receitas. Palmeiras só cedeu o terreno.  Estádio vale R$ 900 milhões a R$ 1 bilhão, este é o valor presente, fazendo uma projeção das receitas diante do que está acontecendo. Sempre é uma aposta. O patrimônio de R$ 1 bilhão que o Palmeiras enfiou no seu balanço sem ter que pagar um tostão. Cedeu o terreno, que nem tinha valor, não poderia vender, cedeu o uso do terreno.

O estádio foi construído desta maneira porque quem fez o contrato avaliou a localização em uma cidade que tem muita inclinação; portanto o estádio carrega um potencial econômico da cidade, da região e da torcida. Aquela região lá, a Zona Oeste, a maioria dos moradores é palmeirense, então isso estabelece uma relação próxima entre os torcedores e o estádio. Tem uma sinergia muito forte e positiva entre o estádio e os arredores.

Tem que levar em conta tudo isso. O Corinthians não vendeu os naming rights, e nem vai conseguir, nem vale nada. O Palmeiras, por outro lado, viu a Allianz comprar na hora, ninguém é bobo. Palmeiras recebeu R$ 30 milhões, fora outras propriedades que a Wtorre conseguiu vender.”

O Timão vem tentando desde a inauguração em maio de 2014 um naming rigths, mas todas as tentativas foram falhas. O Verdão acertou por 300 milhões de reais da seguradora Allianz para deixar o nome do estádio como Allianz Parque por 20 anos com opção para renovação por mais 10.



Jornalista formado pela FIAM-FAAM. Setorista do Internacional e do Fluminense no Torcedores.com. Também escreve sobre o Palmeiras no site. Contato: mohamed.nassif12@hotmail.com