Flamengo tem três cartas na manga para fechar com Diego; confira

Reprodução/Twitter

A diretoria do Flamengo trabalha para repatriar Diego pensando em um camisa 10 para comandar o meio-campo no Campeonato Brasileiro. O jogador de 31 anos está em baixa no Fenerbahçe, da Turquia, e é o favorito dos dirigentes nos bastidores da Gávea.

LEIA TAMBÉM:
Alvo do Flamengo, Arturo Mina, do Independiente Del Valle-EQU, descarta transferência 
Flamengo pode “reataliar” Botafogo em jogo de volta no Brasileirão
Mercado da bola: Diretor do Flamengo fala sobre interesse da Lazio-ITA em Felipe Vizeu

Para viabilizar o negócio, o Flamengo se apoia em três planos que o Torcedores.com mostra a seguir.

  1. De acordo com reportagem do UOL Esportes, Diego pode entrar em acordo para rescindir seu vínculo com os turcos (o meia tem contrato até o meio de 2017) e fique livre para assinar com o Flamengo. O atleta só precisaria se desvincular do Fenerbahçe até o dia 19 de julho, que é o fim da janela de transferências internacionais, podendo assinar com o Rubro-negro a qualquer momento depois disso.
  2. Caso Diego não conseguir acordo com os dirigentes do Fenerbahçe, o Flamengo tentará pagar um valor a mais pela rescisão do contrato antes do término legal. Necessariamente essa alternativa teria que ser efetivada até o fechaento da janela, ou seja, até o próximo dia 19.
  3. Segundo reportagem do jornalista Mauro César Pereira, da ESPN Brasil, Diego Ribas tem problema com os torcedores do Fenerbahçe por causa de seu estilo individualista em campo. O meia esteve em baixa nessas últimas duas temporadas e isso pode determinar um ‘facilitador’ para a diretoria turca negociá-lo com o Flamengo. Ele fez 43 jogos, sendo 29 como titular, na última temporada pelo time turco, mas em apenas 11 atuou os 90 minutos. Nesse período, o meia só marcou três gols.

OBS: De acordo com o UOL Esportes, existe um acordo entre as partes no aspecto financeiro. O Flamengo propôs arcar com salários na casa dos R$ 600 mil. O contrato também está pautado em premiações e luvas divididas em 30 parcelas de R$ 160 mil.



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.