Médico do Grêmio escapa de atentado em Nice

Reprodução: site Oficial do Grêmio de Football Porto Alegrense

O médico do Grêmio, Paulo Rabaldo, escapou de engrossar a lista de feridos ou vítimas fatais do atentado terrorista verificado na noite desta quinta-feira (14) na cidade francesa de Nice, quando 80 pessoas morreram por conta do atropelamento provocado por um caminhão dirigido por um francês de origem tunisiana.

A multidão acompanhava a queima de fogos em homenagem a Queda da Bastilha, o dia da independência da Franca, e Rabaldo estava na cidade localizada na região da Cote D’Azur a convite de sua filha, que estuda em Madri, na Espanha e levou seu pai para conhecer o balneário, de acordo com entrevista dada por ele à Rádio Bandeirantes de Porto Alegre.

“Tínhamos combinado de ver os fogos do Dia da Bastilha, uma revolução deles. Após a janta, a gente iria no horário, mas nos atrasamos, graças a Deus. Só vimos o restaurante retirando todas as mesas das calçadas e uma multidão correndo, chorando, telefonando…”, falou.

“Tenho uma filha que estuda na Europa, ela está em férias. A gente fez uma volta por Nice, que é uma praia semelhante ao que Florianópolis é para o nosso verão. Uma praia linda que recebe gente do mundo todo”, contou.

Após o atentado, o prefeito de Nice, Christian Estroci, pediu através de sua conta no Twitter para que moradores e turistas ficassem em suas casas ou hotéis e o fato impressionou o médico gremista.

“Aqui é uma região de bares. Ontem, só se ouvia alegria. Agora, a cena é estarrecedora. Só o barulho de sirenes da polícia, dos bombeiros. Está todo mundo assustado e angustiado”, concluiu.