Pé torto? Veja o que pode estar causando má fase do Vasco

Série A
Foto: Divulgação/ Vasco.com.br

O Vasco da Gama caiu de rendimento claramente nas últimas 7 partidas, desde a derrota de 2 a 1 para o Atlético-GO que marcou o fim de 35 jogos invictos. A derrota para o time goiano deixou claro que o elenco vascaíno tem limitações, mas também criou um padrão identificado nos reveses seguintes.

LEIA MAIS:
8 TREINADORES QUE SERIAM TITULARES EM SEUS TIMES NO BRASIL
NEYMAR FALA SOBRE COMO SENTIU O 7 A 1 DA COPA DO MUNDO
VEJA COMO CAMILO FEZ A DIFERENÇA NA ESTREIA PELO BOTAFOGO
EX-GOLEIRO DO GRÊMIO RELATA TERROR NA TURQUIA: “PRESENCIEI UM ATENTADO”
VÍDEO: NEYMAR MOSTRA PONTARIA INCRÍVEL E ACERTA DRONE NO AR

Contra o Dragão, o Gigante da Colina finalizou 20 vezes, sendo 8 delas no alvo e 12 para fora. Com um índice de aproveitamento de chutes menor do que 50% (nessa partida foi de 40%) o Vasco perdeu e isso se repetiu novamente. Contra Paraná e Avaí, o Cruzmaltino também teve um índice que não ultrapassou os 50% de finalizações certas.

Em São Januário, o Vasco chutou 12 vezes contra a meta do Paraná e somente em 6 delas, ou seja a metade, acertou a meta. Na Ressacada, foram 21 chutes, sendo 11 para fora e 10 no gol (ou seja, pouco menos de 50%). Isso já havia ocorrido em outras partidas no Campeonato Brasileiro Série B. Contra Tupi (vitória por 1 a 0), Vila Nova (vitória por 2 a 0), Oeste (empate por 1 a 1), Goiás (vitória por 1 a 0) e Joinville (vitória por 2 a 0), o Vasco também acertou menos de 50% dos chutes certos, porém, nelas não ocorreram as falhas defensivas identificadas nas 3 derrotadas da temporada. Sem as falhas de Rodrigo (contra o Atlético-GO) e Aislan (contra o Paraná e o Avaí), o time de Jorginho talvez estivesse invicto.

Os dados foram conseguidos no site Footstats.

Crédito da Foto: Divulgação/ Vasco.com.br