Você sabia que o Mundial conquistado pelo Palmeiras inspirou a criação da Champions League?

Foto: Divulgação/Palmeiras

O Palmeiras comemora nesta sexta-feira (22), 65 anos da conquista da Copa Rio, reconhecida oficialmente pela Fifa como o primeiro título Mundial de Clube. E se mesmo assim ainda existem dúvidas quanto a importância da competição, você precisa saber que foi ela que inspirou a criação da Uefa Champions League, o maior torneio de clubes do mundo.

LEIA MAIS:
Neto reconhece Palmeiras como campeão Mundial: “Tem que parar de ser clubista”

Reprodução
Reprodução

“Não, meus amigos, não se repetiu o 16 de julho de 1950. Desta vez, a sorte não foi madrasta para o futebol do Brasil. Vencemos a Taça Rio, com honras e méritos. Fomos direitinho a ela, e o Palmeiras, hoje, é o clube campeão do mundo. Somente pode ser digno de orgulho de todos os torcedores brasileiros”.

Foi assim que o jornalista Thomas Mazzoni, do jornal Gazeta Esportiva, iniciou a matéria publicada no dia 23 de julho de 1951 sobre a final da Copa Rio. Neste trecho, é possível ter a dimensão do tamanho da conquista do Palmeiras: esquecer Maracanazo do ano anterior.

A Copa Rio foi o primeiro torneio da história onde clubes se reuniram para disputar um título com o apoio da Fifa – embora ela não tenha chegado a ser, de fato, a organizadora da competição.

Jules Rimet, então presidente da Confederação Brasileira de Desportos, se uniu ao presidente da Federação Italiana de Futebol, Ottorino Barassi, para criar e desenvolver as regras da competição, que quase foi disputada pela primeira vez em 1939, mas Adolf Hitler atrapalhou os planos. A ideia do torneio foi retomada em 1950, inspirada pela disputa da Copa do Mundo. O Brasil se tornou sede natural da competição porque já tinha a estrutura necessária para o evento.

Para a disputa da competição, ficou definido que o ideal seria  convidar os campeões nacionais de Itália, Inglaterra, Portugal, Áustria, Escócia e Espanha, além de dois representantes do país-sede.

Como o Brasil ainda não tinha um campeão nacional,  decidiram convidar Vasco e Palmeiras, que eram os mais recentes campeões estaduais do Rio de Janeiro e de São Paulo.

Na busca por clubes europeus, Barassi contou com o apoio do jornalista francês Gabriel Hanot, do jornal L’Equipe e da revista France Football – Hanot foi o responsável por propor à  Uefa a criação de um torneio europeu de clubes e por criar o prêmio Bola de Ouro.

Apesar do prestígio, Hanot teve dificuldades para definir os representantes europeus. Sem acordo com os escoceses, teve que recorrer a um representante da Iugoslávia – o Estrela Vermelha. Representando a Inglaterra, o Tottenham chegou a ser confirmado no torneio, mas depois alegou falta de logística e acabou cancelando sua participação.

VEJA TAMBÉM:
Emocionante! Ouça a narração completa do Mundial do Palmeiras, conquistado em 1951

Sem os ingleses, a vaga ficou com Áustria Vienna, da Áustria, por um erro da CBD, que deveria ter enviado o convite ao  Rapid Viena, então atual campeão. Quem também deu problemas foi a Espanha, que resolveu não enviar um representante e repassou a vaga aos franceses do Nice.

As últimas três vagas para a competição foram preenchidas por Juventus, da Itália, Sporting, de Portugal e Nacional, do Uruguai.

Problemas à parte, a competição foi realizada, foi um grande sucesso, e serviu de inspiração para a criação da Uefa Champions Legue, quatro anos depois, em 1955.

Reprodução/TV Globo
Reprodução/TV Globo

Em 1975, uma matéria do jornal italiano La Stampa, conta que Gabriel Hanot contou com a ajuda de Jacques Ferran, um de seus colegas na redação do L’Equipe, que havia acompanhando a disputa Campeonato Sul-Americano de Campeões – precursor da Libertadores – para juntos elaborarem a Copa Europeia, atualmente conhecida como Champions League.

“Como a Europa, que queria estar à frente do resto do mundo, não era capaz de realizar uma competição nos moldes do Campeonato Sul-Americano e da Taça Rio? Precisávamos seguir este exemplo“, admitiu Ferran em entrevista ao Esporte Espetacular, em 2015.

Recentemente, em contato com o jornal Estadão, o novo reconhecimento do Palmeiras como campeão mundial foi dada por um porta-voz da Fifa, que enviou um texto onde declara que o Palmeiras detém o primeiro título mundial da história.

“A entidade que comanda o futebol mundial diz que na sua reunião realizada em São Paulo no dia 7 de junho de 2014, o comité executivo da Fifa concordou com o pedido apresentado pela CBF para reconhecer o torneio disputado em 1951 entre clubes europeus e sul-americanos como a primeira competição mundial de clubes”, dizia a nota.