Andy Murray: “Eu não jogo tênis por dinheiro, jogo tênis porque eu o amo”

Credito da foto: Facebook Oficial Andy Murray

Passados quatro anos desde a conquista do ouro em simples em pleno Quadra principal de Wimbledon, Andy Murray voltou ao lugar mais alto do pódio nos Jogos Olímpicos. O jogador britânico bateu Juan Martin del Potro em quatro sets e, em suas declarações no fim do encontro, afirmou que é por dias como este que o tênis está presente na sua vida, mostrando-se também orgulhoso do percurso feito pelo argentino para chegar até aqui.

Não há dúvida de que Andy Murray está num dos melhores momentos de forma da sua carreira. Com 29 vitórias nos últimos 30 encontros, o número dois do mundo não escondeu a a alegria por carregar novamente o ouro ao peito e tornar-se no primeiro jogador de singulares a defender a conquista alcançada há quatro anos:

Estou muito orgulhoso. Eu não jogo tênis por dinheiro, jogo tênis porque eu o amo. Foi por isso que eu entrei nesse esporte. Ganhar medalhas de ouro e os maiores torneios é incrível. Significa muito para mim ganhar aqui”.

Murray admite que este é o melhor momento da sua carreira profissional, iniciada em 2005, e que o objetivo é manter-se neste caminho: “Vou tentar continuar assim nos próximos meses, o US Open será daqui a algumas semanas e vou tentar jogar bem lá. Os últimos meses têm sido, de longe, os melhores e os mais bem sucedidos da minha carreira”.

Foto: Getty
Crédito da foto: Twitter Oficial Jogos Olímpicos

Mas apesar da alegria pelo triunfo, Andy não esquece o adversário deste domingo e fez questão de referir que o povo argentino “tem que estar muito orgulhoso, porque o Del Potro voltou a jogar a um grande nível depois de ter tantos problemas no pulso”. Depois de enfrentar “o mesmo problema várias vezes, ele foi incrível”, reiterou o britânico.

Esse foi o quarto de torneio do tenista nesta temporada, depois de erguer os troféus no Masters 1000 de Roma, em Queen’s Club e em Wimbledon.