Após polêmica central da Seleção Masculina de Vôlei não descarta aposentadoria

Foto: Divulgação/Sesi-SP

Um dos primeiros atletas a serem cortados da seleção brasileira masculina de vôlei, o central Sidão, do Sesi-SP, ficou chateado com ao ser contatado pela comissão técnica para substituir Maurício Souza às vésperas das Olimpíadas. De volta às quadras pelo time paulista o jogador não descarta aposentadoria, idade e condicionamento físico seriam os principais fatores para a decisão.

LEIA MAIS:

CORTADO NA VÉSPERA DAS OLIMPÍADAS MURILO REVELA “EU CRIEI MUITAS EXPECTATIVAS PRA ESSE ANO”

TIME DE BERNARDINHO VOLTA A AÇÃO NESTA SEGUNDA. CONFIRA A AGENDA

Há 10 anos atuando com a camisa da seleção, o central não descarta deixar de atuar com a camisa verde amarela. “Existem questões para se levar em conta, como a questão física e a idade, não sei se conseguiria dar o meu 100% em nível internacional e durante mais um ciclo olímpico”, explicou.

O central foi dispensado da seleção brasileira logo após a etapa do Brasil da Liga Mundial, e não viajou para a Europa com a equipe. Porém, após a lesão de Maurício Souza em um dos treinamentos antes do início dos Jogos Olímpicos, o nome de Sidão voltou a aparecer nos planos da comissão técnica.

O atleta não nega que recebeu um convite da comissão técnica para estar nas Olimpíadas, mas a falta de oportunidades durante a Liga Mundial foram os principais motivos para não aceitar a solicitação.

Foto: Divulgação/Sesi-SP