Após derrota para Thiago Braz, saltador francês provoca: “críticas me fazem rir”

Getty Images

Grande favorito ao ouro no salto com vara nos Jogos Olímpicos do Rio, o francês Renaud Lavillenie foi surpreendido pela excelente atuação do brasileiro Thiago Braz, que, com a marca de 6,03m, conquistou a medalha de ouro na última segunda-feira. A expressão do francês após o resultado era de pura desolação, tanto que ele nem foi participar da volta olímpica no Engenhão junto com o brasileiro e o norte-americano Sam Kendricks, bronze na prova.

LEIA TAMBÉM:
Palavrão ‘escapa’ no SporTV em transmissão do ouro de Thiago Braz; assista

Thiago Braz conquista medalha de ouro inédita no salto com vara e web ‘vibra’ com ele
Conheça Thiago Braz, medalhista de ouro no salto com vara nas Olimpíadas do Rio

Após a prova, Braz contou que o francês não fala com ele há um ano e meio. “Ele nem fala direito comigo, há um ano, um ano e meio. Não sei (o motivo)”, admitiu o brasileiro de 22 anos, atualmente o número 4 do mundo no ranking da modalidade.

Mais do que a derrota para Thiago, o francês ficou inconformado com o comportamento do público no Engenhão, que passou a vaiá-lo após o brasileiro ter passado na frente na prova. Lavillenie chegou a comparar a atitude dos torcedores com a que os alemães tiveram com o negro norte-americano Jessie Owens nas Olimpíadas de Londres, em 1936.

No início da manhã desta terça-feira, o francês, todavia, desculpou-se com a forte comparação. Entretanto não deixou de provocar quem o vaiou na noite anterior. “Eu não aceito que me vaiem em um salto olímpico. Mas eu acho que é compreensível. E me desculpem pela comparação, falei com cabeça quente e não medi. Obrigado aos franceses que estavam no estádio e me apoiaram. E os outros, divirtam-se em me criticar, isso me faz rir”, escreveu Lavillenie em seu perfil oficial nas redes sociais.

Mesmo assim, o vice-campeão olímpico reconheceu o mérito de Thiago. “Esportivamente falando, não há nada a dizer. O brasileiro foi no melhor. Eu dei tudo de mim, mas isso é esporte e eu aceito sem problemas. Eu conquistei uma segunda medalha olímpica, prata, que é a minha 15ª medalha internacional desde 2009”.



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.