Corinthians está muito perto de perder Bruno Henrique para Itália

Corinthians bruno henrique
Foto: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Bruno Henrique sempre dividiu opiniões no Corinthians, com Tite era titular absoluto e isso incomodava alguns torcedores, se manteve Cristóvão e agora de acordo com informações do Lance! e da ESPN, Bruno Henrique está muito próximo do Torino da Itália.

Leia mais:

MERCADO DA BOLA: BRUNO HENRIQUE ENTRA NA MIRA DO TORINO, DIZ SITE

BRUNO HENRIQUE AINDA NÃO RENOVOU COM CORINTHIANS E JÁ PODE ASSINAR COM OUTROS CLUBES

De acordo com Gabriel Carneiro e Rodrigo Vessoni do portal Lance, o clube italiano está disposto a pagar o valor da cláusula de liberação do volante, de 4 milhões de euros (R$ 14,5 milhões). Detentor de apenas 25% dos direitos econômicos e sem poder de barganha, o Timão não tem o que fazer se Bruno Henrique aceitar a oferta, e receberia 1 milhão de euros (R$ 3,6 milhões) pela negociação de seu titular. O Torino tem até 31 de agosto, quando fecha a janela de contratações na Europa, para efetivar a compra de Bruno Henrique.

bruno henrique
Foto: Daniel Augusto/ Agência Corinthians

O contrato de Bruno Henrique com o Corinthians vence no final deste ano e embora o Corinthians esteja insistindo para que a renovação seja feita, o jogador tem adiado pelo assédio de outros clubes.

Vale lembrar ainda que Bruno Henrique é o maior ‘roubador’ de bolas do Brasileirão nesta campanha que acabou levando o Corinthians para a liderança do campeonato. Com 62 desarmes certos, Bruno só vê William do Inter se aproximar na estatística. O jogador colorado tem 59 e os demais concorrentes não possuem nem 50 desarmes ainda.

Contratado em 2014, junto a Portuguesa, Bruno Herinque alternou o posto de titular e reserva com Ralf, mas com a venda do companheiro se tornou titular absoluto do meio de campo corintiano. Em 113 partidas pelo alvinegro, o volante marcou sete gols. Vale lembrar também que o Corinthians é dono de apenas 25% dos direitos econômicos do jogador.



Formada em jornalismo pelo Mackenzie, demorei anos para perceber que dá, sim, para ir atrás dos sonhos e trabalhar com o que se gosta: o esporte. Hoje me divido entre o esporte e a política. Nunca vou me conformar com os que dizem: "É só futebol.."