GUIA RIO 2016 TORCEDORES.COM – SAIBA TUDO SOBRE O REMO

O Torcedores.com continua seu especial para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro 2016 que conta um pouco da história de cada esporte olímpico, algumas curiosidades para você contar por aí, além de informar os favoritos das provas e quem são os brasileiros nelas. Falaremos um pouco do Remo, um dos esportes mais tradicionais nos Jogos Olímpicos

LEIA O GUIA RIO 2016 DE OUTROS ESPORTES:
ATLETISMO, BADMINTONBASQUETE MASCULINO, BASQUETE FEMININO, BOXECANOAGEM VELOCIDADECANOAGEM SLALOM, CICLISMO BMX, CICLISMO ESTRADA, CICLISMO MOUNTAIN BIKE, CICLISMO PISTA,  ESGRIMAFUTEBOL MASCULINOFUTEBOL FEMININO, GINÁSTICA ARTÍSTICA, GINÁSTICA RÍTMICA, GINÁSTICA DE TRAMPOLIM, GOLFEHANDEBOLHIPISMO, JUDÔ, LEVANTAMENTO DE PESO, LUTA, MARATONA AQUÁTICA, NADO SINCRONIZADO, NATAÇÃO, PENTATLO MODERNOPOLO AQUÁTICO, REMO, RUGBY DE SETE, SALTOS ORNAMENTAIS,TAEKWONDOTÊNISTÊNIS DE MESA,TIRO COM ARCOTIRO ESPORTIVO, TRIATLO, VELAVÔLEI FEMININO,  VÔLEI MASCULINOVÔLEI DE PRAIA

 

ESPORTE: REMO

INTRODUÇÃO: O remo é um esporte praticado desde a Antiguidade. Ganhou caráter de esporte com os ingleses no século XIX, a partir da criação de clubes às margens do rio Tâmisa, que corta Londres, e da realização de regatas entre universidades, com barcos distribuídos em classes segundo sua estrutura, peso e comprimento, além do número de remadores. O fervor pelo remo no final do Século XIX levou à criação levou à criação da Fédération Internacionale dês Sociétés d’Aviron (FISA), fundada em 1892. A estreia em Jogos Olímpicos ocorreu em 1900, em Paris. Desde então, o esporte integrou o programa de todos os Jogos Olímpicos. São distribuídas 14 medalhas de ouro, sendo 8 no masculino e 6 no feminino.

VOCÊ SABIA?

  • Que a termologia “sem” ou “com” está relacionada a presença ou não do timoneiro, responsável por dar as coordenadas aos demais remadores?
  • Que o Remo só não esteve  presente na primeira Olimpíada moderna em 1896 em Atenas porque as condições do tempo impediram a realização das provas?
  • Que ao contrário do que ocorre na canoagem, as distâncias das provas no remo não variam? Todas tem 2000 metros
  • Que o remo deu origem aos principais clubes de futebol do Rio de Janeiro?

 

SKIFF SIMPLES MASCULINO

  • Um remador com dois remos
    Peso do barco: 14 kg
    Comprimento: 8,20 m
    Tamanho do remo: 2,98 m

HISTÓRICO/PAÍSES TRADICIONAIS:

A prova do skiff simples é uma das mais antigas dos Jogos Olímpicos e foi disputada pela primeira vez em 1900. A maior vencedora é a União Soviética, com 5 títulos. Dos países que ainda existem, Grã-Bretanha, Austrália e Finlândia tem 3 títulos cada. Desde 2000, Nova Zelândia, Noruega, República Tcheca e Suíça cresceram bastante. Foram 2 ouros para o norueguês Olaf Turte e 2 para a Nova Zelândia.

 

QUEM CHEGA FORTE AO RIO:

Ondrej Synek (foto), da República Tcheca, é o homem a ser batido no skiff simples. Depois de bater na trave e conquistar a prata em 2008 e 2012, o tcheco chega ao Rio para conseguir a única medalha que lhe falta. Além de medalhista olímpico, ele é tetra campeão mundial. O maior rival de Ondrej, o neozelandês Mahe Drysdale, tentará repetir o que fez em Londres, quando conquistou o ouro. Neste ano, na única prova que disputaram juntos, Mahe levou a melhor.  Fique atento também nos atletas de Croácia, Cuba e Grã-Bretanha.

 tcheco remo

MELHORES RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO DOS PRINCIPAIS PARTICIPANTES:

Ondrej Synek (República Tcheca) -campeão mundial em 2015, 2014 e 2013, vice-campeão em Londres 2012

Mahe Drysdale (Nova Zelândia) – vice-campeão mundial em 2015 e 2014, vice-campeão em Londres 2012, venceu as duas provas que disputou em 2016, uma contra Ondrej

Ángel Fournier  (Cuba) – terceiro colocado no mundial em 2014, vice-campeão em 2013, medalhou em duas das 3 etapas do circuito em 2016

Damir Martin (Croácia) – campeão europeu, venceu uma e foi vice na outra nas duas provas que disputou em 2016

Mindaugas Griskonis (Lituânia) –  terceiro colocado no mundial em 2015

Alan Campbell (Grã-Bretanha) – terceiro colocado em Londres 2012

Hannes Obreno (Bélgica) – terceiro colocado em uma das 3 etapas em 2016. O uúnico que não um dos 6 acima a medalhar no ano

 QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS SUAS CHANCES?

O Brasil não terá representantes nesta prova

 

PALPITE DO GUIA:

Ouro: Ondrej Synek (República Tcheca)

Prata: Mahe Drysdale (Nova Zelândia)

Bronze: Ángel Fournier (Cuba)

 

SKIFF DOUBLE MASCULINO

Dois remadores com dois remos
Peso do barco: 27 kg
Comprimento: 10,40 m
Tamanho do remo: 2,98 m

 

HISTÓRICO/PAÍSES TRADICIONAIS:

A prova do skiff duplo é disputada desde 1904. Estados Unidos (6) e União Soviética (4) são os países que mais venceram. Perderam força nos anos 1980 e 1990, entretanto, e viram os países da Europa e Oceania dominarem a prova. Desde 1992, Itália, Austrália, Nova Zelândia, França e Noruega são os grandes nomes do skiff duplo.

 

QUEM CHEGA FORTE AO RIO:

Os croatas Martin Sinkovic e Valentin Sinkovic (foto) são favoritos absolutos ao ouro. Campeões mundiais em 2014 e 2015, venceram as duas provas que disputaram em 2016 e provam estar em forma para o Rio. A dupla da Nova Zelândia, terceira colocada no mundial 2015, é a que melhor se apresentou no ano de 2016. Tentam surpreender os vice-campeões mundiais Rolandas Mascinskas e Saulius Ritter, da Lituânia, e os campeões de 2013 Nils Jakob Hoff e Kjetil Borch, da Noruega. Pelas medalhas de prata e bronze, devem brigar também Grã-Bretanha, Itália e França

sinkovic remo

MELHORES RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO DOS PRINCIPAIS PARTICIPANTES:

Martin Sinkovic e Valent Sinkovic (Croácia) – bicampeões mundiais 2014 e 2015, venceram as duas etapas da Copa do Mundo que disputaram

Rolandas Mascinkas e Saulius Ritter (Lituânia) – vice-campeões mundiais em 2013 e 2015

Robbie Manson e Chris Harris (Nova Zelândia) – terceiros colocados no mundial 2015, venceram uma etapa da Copa do Mundo esse ano e ficaram em segundos na outra (perderam para os croatas)

Olaf Hoff e Kjetil Borch (Noruega) – campeões mundiais em 2013

Romano Batisti e Francesco Fossi (Itália) – vice-campeões do mundo em 2014 e terceiros colocados em 2013

James McRae e Alexander Belonogoff (Austrália) terceiros colocados no mundial 2014

 QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS SUAS CHANCES?

O Brasil não terá representantes nesta prova

 

PALPITE DO GUIA:

Ouro: Martin Sinkovic e Valent Sinkovic (Croácia)

Prata: Robbie Manson e Chris Harris (Nova Zelândia)

Bronze: Rolandas Mascinkas e Saulius Ritter (Lituânia)

 

SKIFF QUÁDRUPLO MASCULINO

  • Quatro remadores com dois remos
    Peso do barco: 52 kg
    Comprimento: 13,40 m
    Tamanho do remo: 2,98 m

 

HISTÓRICO/PAÍSES TRADICIONAIS:

A prova existe desde 1976 e é amplamente dominada pela Alemanha. São 4 ouros para os alemães. O segundo maior vencedor é a… Alemanha, Oriental, à época da Guerra Fria. Austrália, Croácia, Polônia e Itália costumam ter força nessa prova.

QUEM CHEGA FORTE AO RIO:

Após vencer em Londres 2012, os alemães (viram Croácia e Ucrânia crescerem e ficarem com os títulos mundiais de 2013 e 2014. Em 2015, se recuperaram e ficaram com o título. Em 2016, A Austrália venceu as duas vezes que disputou a prova e chega muito bem para as Olimpíadas. Grã-Bretanha, Estônia e Suíça podem surpreender

alemanha quaduplo

 

MELHORES RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO DOS PRINCIPAIS PARTICIPANTES:

Alemanha – campeã mundial 2015, vice-campeã 2013, terceira colocada em 2014, campeã em Londres 2012

Austrália- vice-campeã mundial 2015 e terceira colocada em Londres 2012 Campeã das duas etapas da Copa do Mundo em 2016.

Grã-Bretanha-  vice-campeã mundial 2014 e terceira colocada em 2013, 2ª colocada em uma das provas que disputou esse ano

Estônia- terceira colocada no mundial 2015

Ucrânia- campeã mundial em 2014

Polônia – 3º e 4º lugar nas duas provas que disputou esse ano

Suíça – 3º lugar em uma das provas que disputou esse ano

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS SUAS CHANCES?

O Brasil não tem representantes nesta prova

 

PALPITE DO GUIA:

Ouro: Austrália

Prata: Alemanha

Bronze: Polônia

 

DOIS SEM MASCULINO

  • Dois remadores com apenas um remo para cada atleta. Sem timoneiro
    Peso do barco: 27 kg
    Comprimento: 10,40 m
    Tamanho do remo: 2,98 m

HISTÓRICO/PAÍSES TRADICIONAIS:

A prova do dois sem é disputada desde 1904 e tem a Grã-Bretanha como maior vencedora: 6 ouros no total. Austrália e Nova Zelândia cresceram muito desde 1996. Venceram as 3 últimas edições, com dois títulos australianos e um neozelandês (2012).

 

QUEM CHEGA FORTE AO RIO:

Essa é a medalha de ouro mais fácil de se prever no remo, talvez uma das 3 mais fáceis de todas as Olimpíadas. Eric Murray e Hammish Bond, da Nova Zelândia (foto), são simplesmente heptacampeões mundiais, campeões olímpicos e não perdem uma prova desde 2009. Prata e bronze devem ficar entre Holanda, Grã-Bretanha, França e África do Sul.

 eric bond remo

MELHORES RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO DOS PRINCIPAIS PARTICIPANTES:

Eric Murray e Hammish Bond (Nova Zelândia)  -campeões mundiais em 2015, 2014, 2013, Campeões em Londres 2012, Campeões das duas etapas da Copa do Mundo em 2016 que disputaram

Roel Braas e Mitchel Steenman (Holanda) – ficaram em segundo nas duas etapas que disputaram em 2016

Milos Vasic e Nenad Bedik  (Sérvia) – terceiros colocados no último mundial 2015

Germain Chardin e Dorian Mortelette (França) –  vice-campeões mundiais em 2013 e em Londres 2012.

Spencer Turrin e Alexander Lloyd (Austrália) – vice-campeões em uma das etapas da Copa do Mundo disputadas em 2016

Alan Sinclair e Stewart Innes (Grã-Bretanha) – terceiros colocados em uma das etapas da Copa do mundo em 2016

Lawrence Brittain e Shaun Keeling (África do Sul) terceiros colocados em uma das etapas da Copa do Mundo. Keeling foi terceiro colocado no mundial 2014

 

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS SUAS CHANCES?

O Brasil não tem representantes nesta prova

PALPITE DO GUIA:

Ouro: Eric Murray e Hammish Bond (Nova Zelândia)

Prata: Roel Braas e Mitchel Steenman (Holanda)

Bronze: Germain Chardin e Dorian Mortelette (França)

 

QUATRO SEM MASCULINO

  • Quatro remadores com apenas um remo para cada atleta. Sem timoneiro
    Peso do barco: 50 kg
    Comprimento: 13,40 m
    Tamanho do remo: 2,98 m

 

HISTÓRICO/PAÍSES TRADICIONAIS:

A prova do quatro sem é disputada desde 1904 e tem a Grã-Bretanha como maior vencedora: 8 ouros no total. A Austrália é a segunda força da prova. França  e Italia costumam aparecer bem.

 QUEM CHEGA FORTE AO RIO:

A Grã-Bretanha (foto) é a atual tetracampeã olímpica da prova, mas não chega ao Rio com um favoritismo absoluto. Começou o ciclo de forma terrível, ficando de fora do pódio do Mundial 2013. Em 2014 se recuperou, foi campeã do mundo, mas ficou apenas com a terceira colocação no Mundial 2015. Em 2016, os britânicos parecem ter acordado: venceram a prova nas duas vezes que disputaram. A Austrália parece ser a mais capacitada a evitar o penta inglês.  A campeã mundial Itália também chega bem. Holanda e EUA podem surpreender.

 GB 4 SEM REMO2

MELHORES RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO DOS PRINCIPAIS PARTICIPANTES:

Grã-Bretanha – campeã mundial em 2014, terceira colocada no mundial 2015, venceu as duas etapas da Copa do Mundo em 2016, Campeã em Londres 2012

Itália – campeã mundial 2015, vice-campeã em duas etapas da Copa do Mundo em 2016

Austrália – vice-campeã mundial em 2015, terceira colocada no mundial 2014 e 2013, vice-campeã em Londres 2012, vice-campeã e terceira colocada nas etapas da Copa do Mundo 2016

Estados Unidos – vice-campeões mundiais em 2014, terceiros colocados no mundial 2013 e em Londres 2012

Holanda – duas terceiras colocações nas etapas da Copa do Mundo que disputou em 2016

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS SUAS CHANCES?

O Brasil não tem representantes nesta prova

 

PALPITE DO GUIA:

Ouro: Grã-Bretanha

Prata: Austrália

Bronze: Itália

 

OITO COM MASCULINO

  • Oito remadores com apenas um remo para cada atleta. Com timoneiro
    Peso do barco: 96 kg
    Comprimento: 19,90 m
    Tamanho do remo: 2,98 m

 

HISTÓRICO/PAÍSES TRADICIONAIS:

A prova do oito com é disputada desde 1904 e tem os Estados Unidos como maior vencedor: 10 ouros no total, mas a grande maioria no começo do século XX. Grã-Bretanha, Canadá, Alemanha, Austrália e Holanda passaram a ter bastante força nos últimos anos

 

QUEM CHEGA FORTE AO RIO:

A Grã-Bretanha (foto) não vence um título no oito com há 16 anos e parece que vai conseguir acabar com a seca. Depois do bronze em Londres, venceu os três campeonatos mundiais do ciclo. A Alemanha, que perdeu os três mundiais do ciclo para os britânicos, chega ao Rio tentando o bicampeonato. A Holanda é a que vem melhor em 2016, vencendo duas etapas da Copa do Mundo.

gb 8 com

MELHORES RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO DOS PRINCIPAIS PARTICIPANTES:

Grã-Bretanha – campeã mundial em 2015, 2014, 2013, e terceira colocada em Londres 2012

Alemanha – vice-campeã mundial 2015, 2014, 2013, campeã de uma etapa da Copa do Mundo e vice na outra, Campeã em Londres 2012

Holanda – terceira colocada no mundial em 2015, venceu duas etapas da Copa do Mundo 2016

Polônia – terceira colocada no mundial 2014

Estados Unidos –  terceiros colocados no mundial 2013

 

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS SUAS CHANCES?

O Brasil não tem representantes nesta prova

PALPITE DO GUIA:

Ouro: Grã-Bretanha

Prata: Holanda

Bronze: Alemanha

 

SKIFF DOUBLE PESO LEVE MASCULINO

HISTÓRICO/PAÍSES TRADICIONAIS:

A prova do skiff duplo peso leve é disputada desde 1996. A Polônia é o único país com dois títulos. Grã-Bretanha e Dinamarca ganharam respectivamente as duas últimas edições. Juntamente com Grécia, Nova Zelândia e França, formam as potências de hoje em dia na prova.

 

QUEM CHEGA FORTE AO RIO:

Em 2013, o francês Jeremie Azou (foto) foi vice-campeão mundial no skiff simples peso leve. Depois do título, decidiu ir para o duplo. A aposta deu certo e ele foi vice-campeão em 2014 e campeão em 2015 ao lado de Stany Delayare. Em 2016, trocou de dupla, mas isso não o impediu de ser dominante: venceu ao lado de Pierre Houi as duas etapas da Copa do Mundo que disputaram. Devem levar o ouro no Rio. Brigam com eles os noruegeuses Kristoffer Brun e Are Atrandili e os sul-africanos James Thompson e John Smith, com os últimos sendo os únicos que bateram Jeremy nos últimos mundiais. Olho também nos campeões em Londres 2012 da Dinamarca

jeremie azou 

MELHORES RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO DOS PRINCIPAIS PARTICIPANTES:

Jeremie Azou e Pierre Houi (França) – venceram as duas provas que disputaram em 2016. Jeremie foi campeão mundial em 2015 e vice em 2014 com outro parceiro

James Thompson e John Smith (África do Sul) – campeões mundiais em 2014. Venceram em uma etapa da Copa do Mundo e medalharam na outra em 2016

Kristoffer Brun e Are Strandli (Noruega) -campeões mundiais em 2013, terceiros colocados em  2014 e 2015. Vice-campeões nas duas etapas que disputaram esse ano

Will Fletcher e Richard Chambers (Grã-Bretanha) – vice-campeões mundiais 2015

Mads Rasmussen e Rasmus Quist (Dinamarca) – campeões em Londres 2012

Paul O’Donavan e Gary O’Donavan (Irlanda) – vice-campeões na etapa da Itália 2016 da Copa do Mundo

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS SUAS CHANCES?

Essa é a única prova masculina do remo que terá representantes brasileiros. William Giaretton e Xavier Magi (foto) representarão o Brasil. Xavier já competiu pela Espanha em 2013. Os dois não tiveram resultados expressivos além de duas finais B em 2016. Se chegarem até a final, já será um grande feito. As chances de medalha são baixas

 xavi remo

PALPITE DO GUIA:

Ouro: Jeremie Azou e Pierre Houi (França)

Prata: Kristoffer Brun e Are Strandli (Noruega)

Bronze: James Thompson e John Smith (África do Sul)

 

QUATRO SEM LEVE MASCULINO

HISTÓRICO/PAÍSES TRADICIONAIS:

A prova do quatro sem é disputada desde 1996 e tem a Dinamarca como o país mais tradicional. Os dinamarqueses nunca ficaram de fora do pódio. São 3 ouros e dois bronzes desde os Jogos de Atlanta.

QUEM CHEGA FORTE AO RIO:

A Dinamarca teve um início de ciclo fortíssimo, vencendo os dois títulos mundiais seguintes aos Jogos de Londres. Em 2015, a Suíça (foto) surpreendeu os dinamarqueses e ficou com o título mundial. A Nova Zelândia, que sempre ficou atrás da Dinamarca, fez um 2015 ruim, ficando fora do pódio do Mundial. Parecem ter acordado em 2016, entretanto: venceram as duas provas que disputaram. A briga entre esses países deve ser boa. A Grã-Bretanha e a França podem surpreender.

 suica remo

MELHORES RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO DOS PRINCIPAIS PARTICIPANTES:

Suíça: atual campeã mundial, vice-campeã em uma das etapas da Copa do Mundo 2016

Dinamarca- bicampeã mundial 2013 e 2014, vice-campeã mundial em 2015, terceira colocada em Londres 2012, vice-campeã de uma das etapas da Copa do Mundo 2016

Nova Zelândia- vice-campeã mundial em 2013 e 2014. Venceu duas etapas da Copa do Mundo em 2016

França- terceira colocada no mundial 2015

Grã-Bretanha- terceira colocada nos mundiais 2013 e 2014, vice-campeã em Londres 2012

 

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS SUAS CHANCES?

O Brasil não tem representantes nesta prova

PALPITE DO GUIA:

Ouro: Dinamarca

Prata:Alemanha

Bronze:Suíça

 

FEMININO

SKIFF SIMPLES FEMININO

HISTÓRICO/PAÍSES TRADICIONAIS:

A prova do skiff simples feminina começou a ser disputada em 1976 e tem a Romênia como maior vencedora. São 3 ouros contra 2 de Bielorrússia e Alemanha OrientalBulgária e Bielorrússia viram um duelo interessante nos anos 1990 e 2000 entre duas atletas. A tcheca Miroslava Knalava é a atual campeã

 

QUEM CHEGA FORTE AO RIO:

Kimberly Brennan (foto), da Austrália, teve um ciclo olímpico praticamente perfeito após ter conquistado o bronze em Londres. Foi campeã mundial em 2013 e 2015, perdendo apenas em 2014, quando foi vice. Neste ano, mostrou que quer o ouro olímpico ao vencer as duas provas que disputou. Emma Twigg, da Nova Zelândia, foi a única que conseguiu tirar o título de Kimberly em 2014. A atual campeã olímpica Miroslava Knapkova também obteve bons resultados durante o ciclo. Neste ano, as atletas de Canadá, Holanda, Estados Unidos e Suíça estão bem e podem surpreender as favoritas. Observe ainda a experiente e bicampeã olímpica de 1996 e 2000 da Bielorrússia.

kimberly remo

MELHORES RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO DOS PRINCIPAIS PARTICIPANTES:

Kimberly Brennan (Austrália) – Campeã mundial 2013 e 2015, vice-campeã em 2014 e terceira colocada em Londres 2012, venceu as duas etapas da copa do mundo que disputou em 2016

Emma Twigg (Nova Zelândia) – campeã mundial 2014, vice-campeã em 2013, bronze em 2010 e 2011. Vice campeã da etapa da copa do mundo que disputou em 2016

Miroslava Knapkova (República Tcheca)- vice campeã mundial 2015, terceira colocada em 2013, campeã em Londres 2012

Jingli Duan (China) terceira colocada nos mundiais 2014 e 2015

Magdalena Lobnig (Áustria) – atual campeã europeia, obteve boas colocações nas etapas da copa do mundo que disputou

Jeannine Gmelin (Suíça) – terceira colocada na etapa da copa do mundo que contava com a australiana e a neozelandesa

Genevra Stone (Eua) – vice-campeã na etapa da copa do mundo que contava com a australiana e a tcheca

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS SUAS CHANCES?

O Brasil não terá representantes nesta prova

PALPITE DO GUIA:

Ouro: Kimberly Brennan (Austrália)

Prata: Emma Twigg (Nova Zelândia)

Bronze: Magdalena Lobnig (Áustria)

 

SKIFF DOUBLE FEMININO

HISTÓRICO/PAÍSES TRADICIONAIS:

A prova do skiff duplo é disputada desde 1976. Alemanha (2) e Nova Zelândia (4) são os países que mais venceram. Juntos com Grã-Bretanha, Austrália e Polônia, formam as maiores potências do skiff duplo nos dias de hoje.

 

QUEM CHEGA FORTE AO RIO:

A neozelandesa Zoe Stevenson (foto) foi vice-campeã mundial em 2013 e campeã mundial em 2014 ao lado de Fiona Burke. Em 2015, trocou de parceira, mas isso não a impediu de defender seu título. Em 2016, mostraram que não são imbatíveis ao chegar na 7ª colocação em uma das duas etapas da Copa do Mundo que disputaram e que a prova no Rio deve ser muito disputada. Para se ter uma ideia, das 13 duplas que remarão no Rio, sete medalharam nas 3 etapas da Copa do Mundo em 2016. Portanto, olho nas duplas de Polônia, Grécia, Lituânia, Austrália, Dinamarca e França.

 zoe stevenson remo

MELHORES RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO DOS PRINCIPAIS PARTICIPANTES:

Eve MacFarlane e Zoe Stevenson (Nova Zelândia) – campeãs mundiais 2015, ficaram em 2º em uma das duas etapas que disputaram em 2016. Zoe foi campeã mundial em 2014 e vice em 2013 com outra parceira

Magdalena Fluarczyk e Natalia Madaj (Polônia) – vice-campeões mundiais em 2014, terceiras colocadas em Londres 2012, venceram as duas etapas que disputaram em 2016 – batendo as neozelandesas em uma delas

Aikaterini Nikolaidou e Sofia Asoumanaki (Grécia) – vice-campeãs mundiais em 2015, ficaram em terceiro na única etapa da Copa do Mundo que disputaram

Donata Vistartaite e Milda Valciukaite (Lituânia) – campeões mundiais em 2013, venceram a etapa da Copa do Mundo eu disputaram esse ano

Sally Kehoe Genevive Horton (Austrália) – vice-campeãs da etapa única etapa da Copa do Mundo que disputaram esse ano. Sally foi terceira colocada no mundial 2014 com outra parceira

James McRae e Alexander Belonogoff (Austrália) terceiros colocados no mundial 2014

Nina Hollsen e Lisbet Jakobsen (Dinamarca) – terceira colocadas em uma das etapas da Copa do Mundo que disputaram esse ano

Helene Lefébre e Elodie Ravera (França) – terceiras colocadas em uma das etapas que disputaram em 2016

Katherine Grainer e Victoria Thornley (Grã-Bretanha) – Katherine foi campeã em Londres 2012 com outra parceira

Mareike Adams e Marie-Catheríne Arnold (Alemanha) – Mareike foi terceria colocada no mundial 2015 com outra parceira

 

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS SUAS CHANCES?

O Brasil não terá representantes nesta prova

 

PALPITE DO GUIA:

Ouro: Magdalena Fluarczyk e Natalia Madaj (Polônia)

Prata: Donata Vistartaite e Milda Valciukaite (Lituânia)

Bronze: Eve MacFarlane e Zoe Stevenson (Nova Zelândia)

 

SKIFF DOUBLE PESO LEVE FEMININO

HISTÓRICO/PAÍSES TRADICIONAIS:

A prova é disputada desde 1996 e tem a Romênia como a maior vencedora: três títulos em cinco disputados. Holanda e Grã-Bretanha tem os outros ouros. Destaque para a China, primeiro país asiático a conseguir uma medalha no remo feminino

 

QUEM CHEGA FORTE AO RIO:

A dupla Sophie Mackenzie e Julia Edward (direita na foto), da Nova Zelândia, chega com a faixa de bicampeã mundial no barco. Mas, os resultados de 2016 mostram que a prova é aberta e que qualquer uma pode vencer. Canadenses, holandesas (centro da foto) e dinamarquesas (esquerda da foto) mostraram estar fortes em 2016. Quem estará presente também é a campeã de 2012 Katherine Copeland.

SKIFF DUPLO

MELHORES RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO DOS PRINCIPAIS PARTICIPANTES:

Sophie Mackenzie e Julia Edward (Nova Zelândia) –  campeãs mundiais em 2015 e 2014, dois terceiros lugares nas duas etapas de Copa do Mundo disputadas

Jerem Lindsay Jennerich e Patricia Obee (Canadá) – vice-campeãs mundiais em 2014 e vencedoras de uma das etapas da Copa do Mundo 2016.

Charlotte Taylor e Katherine Copeland (Grã-Bretanha) – vice-campeãs mundiais em 2015. Copeland foi campeã em Londres 2012 com outra parceira

Kirsten Mccann e Ursula Globler (África do Sul) – terceiras colocadas no mundial 2015. Medalharam nas duas etapas da Copa do Mundo disputadas

Ilse Paulis e Maaike Head (Holanda) – campeãs em uma das etapas da Copa do Mundo 2016

Anne Lolk e Juliane Elander (Dinamarca) vice-campeãs em uma das etapas da Copa do Mundo 2016

 

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS SUAS CHANCES?

Essa é a única categoria que o Brasil terá representantes. Vanessa Cozzi e Fernanda Nunes (foto) conseguiram vaga através do pré-olímpico das Américas. Tiveram como melhor resultado um nono lugar na Etapa da Polônia da Copa do Mundo. Se conseguirem repetir o resultado no Rio, será um grande resultado. As chances de medalha são baixas.

fernanda nunes remo

PALPITE DO GUIA:

Ouro: Sophie Mackenzie e Julia Edward (Nova Zelândia)

Prata: Jerem Lindsay Jennerich e Patricia Obee (Canadá)

Bronze: Kirsten Mccann e Ursula Globler (África do Sul)

 

SKIFF QUÁDRUPLO FEMININO

HISTÓRICO/PAÍSES TRADICIONAIS:

A prova existe desde 1976 e é amplamente dominada pela Alemanha. São 4 ouros consecutivos de 1992 até 2004. A China entrou para história em 2008 ao ser o primeiro país asiático a conquistar uma medalha de ouro em Jogos Olímpicos.

 

QUEM CHEGA FORTE AO RIO:

São apenas 7 países disputando. A maior vencedora da prova Alemanha (foto) teve um início de ciclo perfeito, vencendo os mundiais de 2013 e 2014. Em 2015, as americanas surpreenderam e ficaram com o título. A Polônia tenta surpreender: venceu duas etapas da Copa do Mundo, uma inclusive das alemãs. Na última delas, entretanto, acabou ficando com a quarta colocação.

skiff quadruplo fem remo

MELHORES RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO DOS PRINCIPAIS PARTICIPANTES:

Alemanha – campeã mundial em 2013 e 2014, vice-campeã em 2015 e em Londres 2012, venceu uma etapa da Copa do Mundo que disputou esse ano (foto), ficou em segunda na outra

EUA-  campeãs mundiais 2015, terceiras colocadas no mundial 2013 e em Londres 2012

Polônia- terceiras colocadas no mundial 2013, venceram duas etapas da Copa do Mundo 2016

Holanda- terceiras colocadas no mundial 2015 e em uma das etapas da Copa do Mundo 2016 (foto)

Ucrânia- Campeã em Londres 2012

China- vice-campeã mundial 2014

Austrália- foi prata em uma das etapas da Copa do Mundo esse ano (foto)

 

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS SUAS CHANCES?

O Brasil não tem representantes nesta prova

PALPITE DO GUIA:

Ouro: Alemanha

Prata: Holanda

Bronze: Polônia

 

DOIS SEM FEMININO

HISTÓRICO/PAÍSES TRADICIONAIS:

A prova do dois sem é disputada desde 1976 e tem a Romênia como maior vencedora: 5 ouros no total. Grã-Bretanha, Austrália, Nova Zelândia e Bielorrússia são países de muita tradição no dois sem feminino.

QUEM CHEGA FORTE AO RIO:

Essa é a medalha mais previsível do remo feminino. Helen Glover e Heather Stanning, da Grã-Bretanha, venceram absolutamente tudo que disputaram desde seu título olímpico em Londres 2012. Venceram os 3 campeonatos mundiais e as etapas da Copa do Mundo que disputaram em 2016. Prata e bronze devem ficar entre as duplas de Nova Zelândia e Estados Unidos. Neste ano, na única etapa em que as duas duplas estiveram juntas, as americanas levaram a melhor. Dinamarca e Romênia parecem ser as únicas duas que parecem poder surpreender.

 helen glover foto

MELHORES RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO DOS PRINCIAIS PARTICIPANTES:

Helen Glover e Heather Stanning (Grã-Bretanha) – campeãs mundiais 2015, 2014, 2013, campeãs em Londres 2012

Genevieve Behrent e Rebecca Scown (Nova Zelândia) – vice-campeãs em duas etapas da Copa do Mundo neste ano, Rebecca foi terceira colocada em Londres com outra parceira

Felice Mueller e Grace Luczak (EUA) – campeãs de uma etapa da Copa do Mundo neste ano, Felice foi bronze no mundial 2015 com outra parceira

Cristina Grigoras e Laura Oprea (Romênia) – terceiras colocadas em uma das etapas da Copa do Mundo em 2016

 

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS SUAS CHANCES?

O Brasil não tem representantes nesta prova

PALPITE DO GUIA:

Ouro: Helen Glover e Heather Stanning (Grã-Bretanha)

Prata: Genevieve Behrent e Rebecca Scown (Nova Zelândia)

Bronze: Felice Mueller e Grace Luczak (EUA)

 

OITO COM FEMININO

HISTÓRICO/PAÍSES TRADICIONAIS:

A prova do oito com é disputada desde 1976 entre as mulheres e tem os Estados Unidos e Romênia como maiores vencedores: três ouros para cada. As americanas são as atuais bicampeãs olímpicas. Juntos com Holanda e Canadá, dominam essa modalidade há mais de 20 anos

 

QUEM CHEGA FORTE AO RIO:

São apenas 7 países na disputa. As americanas (foto) só não perdem a medalha se uma catástrofe acontecer. São mais de 10 anos sem saber o que é derrota no oito com feminino. A Nova Zelândia (foto) quer se tornar o primeiro país que não seja Canadá, Romênia, Holanda ou Estados Unidos a conquistar uma medalha na prova em mais de 20 anos. Estão no caminho certo para isso. A Grã-Bretanha também pode aprontar

oito com fem

MELHORES RESULTADOS NO ÚLTIMO CICLO OLÍMPICO DOS PRINCIPAIS PARTICIPANTES:

Estados Unidos – campeãs mundiais em 2015, 2014, 2013, Londres 2012

Canadá-  vice-campeãs no mundial em 2014 e em Londres 2012, terceiras colocadas nos mundiais 2015 e 2013

Nova Zelândia- vice-campeãs mundiais em 2015. Medalhistas em uma das etapas da Copa do Mundo em 2016 (foto)

Holanda- terceiras colocadas em Londres 2012

Romênia- vice-campeãs mundiais em 2013

 

QUEM REPRESENTA O BRASIL E QUAIS SUAS CHANCES?

O Brasil não tem representantes nesta prova

 

PALPITE DO GUIA:

Ouro: Estados Unidos

Prata: Nova Zelândia

Bronze: Grã-Bretanha



Paulistano, 27 anos, deixou a publicidade e o marketing esportivo para ingressar no jornalismo e conseguir cobrir grandes eventos esportivos. Apaixonado por esportes olímpicos e futebol americano, sonha em estar no Rio de janeiro em 2016 para cobrir os Jogos Olímpicos in loco.