Meia revelação do Coritiba já foi reprovado em teste como goleiro do Corinthians

Raphael Veiga
Foto: Divulgação/Site oficial do Coritiba

Você sabia que o meia Raphael Veiga, um dos destaques do Coritiba no Brasileirão, tentou fazer carreira debaixo das traves? O paulistano, até então morador do Tatuapé, na Zona Leste, foi levado aos nove anos para fazer teste como goleiros nas categorias de base do Corinthians, mas acabou sendo reprovado, de acordo com o site da ESPN.

LEIA MAIS:
Opinião: Grêmio 3 x 0 Corinthians. A vitória de um time que sabe usar as categorias de base 
Opinião: Cristóvão Borges é o menor dos problemas do Corinthians 

“Eu era muito fã do Marcos na Copa do Mundo de 2002. Era um goleirão. Nas brincadeiras com meus amigos gostava de me jogar no chão e gritava o nome dele. Um dia meu pai conseguiu um teste para mim no Parque São Jorge”, contou o jogador à publicação.

“Fui lá, mas não tinha nenhuma técnica, só brincava mesmo. Só que achei que era suficiente (risos). Meu pai comprou uma luva de futsal cortada nos dedos para fazer teste no campo. Fui lá para brincar, sem pretensão de um dia virar profissional nem nada”.

Baixinho e sem talento para a função, Veiga acabou sendo dispensado.

“O jogo rolando lá na frente e eu guri encostado na trave, não tinha noção nenhuma. Eu não fazia nada, parecia um cone lá (risos). Eles devem ter me visto treinado, mas não devem ter gostado. Lembro que fiz uns treinos de finalização no gol como goleiro. Acabei sendo mandado embora depois de uns dias”, afirmou.

O curioso é que duas semanas após a reprovação, ele retornou ao clube, mas desta vez para passar por teste como jogador de linha.

“Eu não sei o que os caras pensaram quando me viram lá de novo (risos). Como assim um dia ele quer ser goleiro e no outro jogador? Eu jogava na linha também, tinha certa habilidade, e passei depois de uma semana. Fui registrado no Corinthians e logo no primeiro jogo fiz um gol”.

Raphael Veiga jogou ao lado do goleiro Caíque França, atualmente a terceira opção do técnico Cristóvão Borges no profissional do Corinthians, e do zagueiro Marquinhos, que defende o PSG.

“Os moleques só me chamavam de goleiro para lá, goleiro para cá (risos). Era engraçado. Depois de dois anos fui dispensado por ser baixinho e sem força”.

Antes de ingressar nas categorias de base do Coritiba, o meia fez testes no São Paulo e no Pão de Açúcar (atual Osasco Audax). Em cinco jogos disputados no Brasileirão, ele marcou um gol.



Rafael Alaby é jornalista diplomado pela FIAM (Faculdades Integradas Alcântara Machado), com passagens pela Chefia de Reportagem de Esportes, da TV Bandeirantes, em São Paulo e site KiGOL. Pós-graduado em Jornalismo Esportivo e Negócios do Esporte (FMU)