Olimpíadas Rio 2016: Boxe pode estar manchado pela corrupção

Crédito: Divulgação/Site Rio 2016

Olimpíadas Rio 2016: O jornal inglês The Guardian apurou através de entrevistas com importantes figuras ligadas ao boxe amador sobre o perigo da corrupção dentro da competição onde inclui-se a manipulação de resultados que podem influenciar na distribuição de medalhas pelo próprio órgão regulador do esporte no mundo.

Próximo das Olimpíadas, funcionários do alto escalão do esporte estão horrorizados, pois acreditam que uma quadrilha de funcionários pode usar seu poder para manipular o sistema de julgamento dos combates, favorecendo determinados atletas nos jogos olímpicos.

Um figurão do esporte chegou a afirmar ao Guardian que não há dúvidas sobre a corrupção de juízes, ele alegou ainda que antes de grandes campeonatos um grupo de juízes chega a se reunir para decidir sobre quais serão os resultados.

Problemas com a integridade do boxe em jogos olímpicos não seria novidade, pois nas Olimpíadas de 1988 em Seul, um combate pela categoria dos médios, Park Si-hun (anfitrião) derrotou o Roy Jones Jr. onde o julgamento se tornou sinônimo de escândalo.

Boxe nas Olimpíadas
Foto: Getty Images

O ex-presidente da AIBA (Associação Internacional de Boxe em português) Rudel Obreja alega que houve manipulação para o sorteio dos juízes para as Olimpíadas 2008 em Pequim. Rudel alegou essa semana ter sido expulso do órgão como resultado.

A AIBA por meio de um porta voz disse ao Guardian que desde Julho de 2015 realizou mudanças no órgão para garantir o desenvolvimento a longo prazo do esporte, mas os entrevistados, que preferiram não se identificar temendo represálias, contam que o suposto esquema de corrupção tem ficado cada vez mais sofisticado e amplo desde os jogos de Londres.

Seamus Kelly, juiz de boxe, é mais uma importante testemunha do possível esquema de corrupção. O Irlandês disse ao Guardian que teria sido convidado a participar de uma fraude nos Jogos Árabes em Doha 2011, onde ele teria indicado quem venceria a luta.

O órgão internacional (AIBA) foi acusado de sangrar dinheiro desde que aceitou um empréstimo do Arzebaijão de U$ 10 milhões para aprovar a expansão dos eventos WSB (World Series Boxing) e AIBA Professional Boxing para que boxeadores profissionais tivessem um “caminho” para o Rio 2016.

Muito ainda tem que ser apurado, porém fica nítida a desconfiança internacional sobre o órgão e que o COI (Comitê Olímpico Internaiconal) deve ficar de olha e fiscalizar para que tudo esteja em ordem nas Olimpíadas 2016 no Brasil.

Fonte: The Guardian



Analista de Tecnologia da Informação e fascinado por futebol de qualidade, amo meu Palmeiras, e torço pela evolução do futebol brasileiro.