Riascos pede indenização milionária ao Cruzeiro após polêmica declaração

Reprodução/Instagram

Riascos cumpriu a promessa e entrou na Justiça contra o Cruzeiro pedindo uma indenização milionária por conta do episódio que afastou o jogador da equipe. Riascos deu uma declaração polêmica após derrota da equipe celeste para o Fluminense e entrou em desavença com a diretoria e torcida.

LEIA MAIS: CRUZEIRO: JUSTIÇA VETA PEDIDO DE RIASCOS PARA ATUAR EM OUTRO CLUBE

OPINIÃO: ERA MUITO DIFÍCIL DAR CERTO, MANO MENEZES

O advogado do atleta adicionou ao processo, ameaças sofridas e fotos do muro da casa do jogador com furos de bala após a declaração. Riascos pede salários até o fim do contrato e indenização por danos morais que passam de R$ 5 milhões.

O atacante diz que o Cruzeiro não cumpre todas as obrigações assumidas no contrato. Uma multa que teria sido aplicada ao jogador não foi confirmada pelo advogado e pelo clube, mas mesmo assim, o advogado pede anulação da suposta multa que corresponderia a 40% do salário de Riascos depois da entrevista conturbada.

O atleta pede com urgência a liberação para deixar o Cruzeiro e seguir sua profissão em outro clube. No processo, alega ter proposta de um clube do exterior e precisa efetuar a transferência até o próximo dia 30, quando encerra a janela de transferências. A multa rescisória com o Cruzeiro é de R$ 30 milhões, o que impede a transferência sem auxílio do clube celeste.

O site Superesportes de Minas Gerais, teve acesso ao processo e destacou algumas partes importantes como a alegação de injustiça direcionada ao atacante.

“A arbitrariedade cometida pela reclamada salta aos olhos, pois o reclamante está sendo punido por um mal entendido, já esclarecido, o qual foi insuflado pelo dirigente Thiago Scuro. (…) Contudo, não se trata de questão apenas técnica, tática ou física. O desligamento do atleta se deu de forma imoral, injusta e anormal por uma deliberação arbitrária do dirigente da reclamada. (…) Assim sendo, em se tratando de reparação de dano, a mesma deve considerar o porte econômico do agente causador, de modo a produzir o desejado efeito pedagógico da indenização, uma vez que a conduta da reclamada trouxe enormes prejuízos à imagem do atleta, sendo o dano causado, inquestionavelmente”.

Os advogados de Riascos alegam também que o fato do atleta ser estrangeiro, pode ter ocasionado má interpretação das palavras ditas à imprensa “Sendo colombiano, e sem domínio pleno da língua portuguesa empregada no Brasil, utilizou certa expressão que desagradou dirigentes e torcedores fervorosos”. Descreveu nos autos.

O atleta aguarda informações sobre o processo na Colômbia, seu país natal. Segundo os advogados, o jogador não pretende voltar a atuar no Brasil.