Técnica chinesa dá “nó tático” no Brasil e vira “MVP” de partida de vôlei

Lang Ping
Foto: Divulgação/FIVB

Lang Ping, técnica chinesa e uma das grandes jogadoras da história, fez várias mudanças táticas durante a partida e mudou o jogo contra o Brasil.

LEIA MAIS
VÔLEI FEMININO: CONFIRA OS CONFRONTOS DAS SEMIFINAIS

Nunca se pode duvidar de uma das maiores atletas de todos os tempos. Lang Ping, medalhista de ouro em Los Angeles 1984 com a seleção chinesa como jogadora e comandante atual da equipe, mudou totalmente o jogo de quartas de finais contra o Brasil nesta terça (16), e foi a “MVP” do jogo.

Brincadeiras e trocadilhos à parte, havia uma expectativa de qual China entraria em quadra contra o Brasil para o jogo. Se era a China talentosa, com grande mobilidade, velocidade, precisão nas suas jogadas, que fez grandes torneios como a Copa do Mundo e o Grand Prix, ou a China insegura, previsível, com problemas graves na recepção e que estava sentindo a pressão dos Jogos Olímpicos.

No 1º set, vimos a 2ª China, que fez uma péssima 1ª fase no Rio 2016 e que pecou muito na recepção de saque, sem jogadas trabalhadas, dependente da sua principal jogadora, Zhu, sem alternativas visíveis. Placar final disso tudo no 1º set: 25 a 15 e um passeio do Brasil. A expectativa era de mais um 3 sets a 0 e vaga na semifinal garantida para a equipe brasileira.. SQN!!!

Eis que surge Lang Ping, tão conhecida e tão craque como jogadora e vice-campeã olímpica dirigindo os Estados Unidos em 2008. Ela começou a modificar a equipe, não só mentalmente, mas também taticamente, mudando as jogadoras de posição. A mudança mais flagrante foi a da craque Zhu, que estava falhando e exposta na recepção, mudando de ponteira passadora para oposta. BINGO!!!

A partir do 2º set, vimos outro jogo, muito mais tenso, disputado, com erros dos dois lados, trocas de liderança no placar e finais imprevisíveis. No final, vitória chinesa por 3 sets a 2, inesperada, impressionante. Uma virada da técnica, que estava atenta às deficiências da equipe e modificou o que precisava para fazer o seu time jogar, começando pela sua principal jogadora, que de ponteira, exposta na recepção e única esperança no ataque, passou para mais uma opção de várias que a levantadora passou a ter com o passe na mão, usando a velocidade da equipe.

Parabéns Lang Ping, a verdadeira vencedora desse grande jogo, pela sua percepção e pela mobilidade da equipe chinesa, candidata à medalha de ouro no Rio 2016!!!