Treinador de Thiago Braz fala de Bubka e diz: ‘brasileiro é mais completo’

Getty Images

Você já deve ter ouvido falar de Sergey Bubka. O ucraniano fez história no salto com vara nas décadas de 1980 e 1990 – foi hexacampeão mundial e ouro nos Jogos Olímpicos de Seul, em 1988. Tudo isso e muito mais nas mãos do treinador Vitaly Petrov. Hoje o técnico russo ainda está na ativa, mas orientando o brasileiro Thiago Braz da Silva, que entrou para a história do atletismo no Brasil, na última segunda-feira, ao faturar a prova nas Olimpíadas do Rio.

LEIA TAMBÉM:
Inconformado com ouro de Thiago Braz, saltador francês chora no pódio ao som do hino do Brasil
Mau perdedor e mal-educado: saiba quem é o novo vilão número 1 do Brasil

Petrov viu o ‘pupilo’ saltar 6,03m, marca nunca antes alcançada pelo brasileiro, para ultrapassar o francês Renaud Lavillenie, que ainda detém o recorde mundial da modalidade em pistas indoor, 6,16m, obtida em 2014. Ao ar livre, a marca ainda pertence a Bubka, que pendurou as sapatilhas com a máxima de 6,14m.

Agora ao lado de Thiago, Petrov crê que o brasileiro pode, sim, alcançar tanto o recorde de Bubka quanto o de Lavillenie. Em entrevista coletiva nesta terça-feira, o treinador prevê que demore “entre um e dois anos” para o brasileiro não ver ninguém à sua frente. Na explicação, o ‘mentor’ foi bem claro – crê que Thiago é um atleta mais completo que a lenda Sergey Bubka.

“Na primeira vez que vi o Thiago treinar, tive essa dúvida: se o Sergey (Bubka) pode saltar 6,14m, por que o Thiago não? (…) Em vários parâmetros o Thiago é melhor que o Bubka. Ele segura a vara 10cm acima do que o Sergey segurava, e isso é importante. Já estão resolvidos os problemas de corrida, técnica e um probleminha que precisamos resolver é fazer o salto com 20 passadas e não com 18. Ainda dá para melhorar”, explicou Petrov.

Com o apoio do Comitê Olímpico do Brasil (COB), há um ano e meio, Thiago Braz foi convencido por Petrov a partir com ele para sua base de treinamento em Fórmia, na Itália. Lá existe um dos melhores centros de treinamento no mundo de atletismo. O regime era de concentração rigorosa para melhorar os resultados já conquistados, a medalha de prata nos Jogos Olímpicos da Juventude (Cingapura 2010) e o ouro no Mundial Sub-20 (Barcelona 2012).

Não bastasse ter tido que passar por uma delicada cirurgia justamente quando estava obtendo os melhores resultados da carreira, Braz sofreu sua primeira queda sob pressão no Jogos Pan-Americanos de Toronto, no ano passado. Thiago errou todos os seus saltos e não medalhou, mas aprendeu com a frustração.



Esportista de hobby, mas jornalista de profissão. Trabalhou como repórter do O Estado de S. Paulo, Revista TÊNIS. Tênis Virtual e CurtaTÊNIS em coberturas nacionais e internacionais de grandes eventos.