6 vezes em que o São Paulo não foi tão “soberano” contra times menores

Créditos da foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

O apelido “Soberano” que foi dado ao São Paulo no passado foi abraçado pela torcida e é gritado até hoje nas arquibancadas se referindo aos anos de muitos títulos para o clube. O time que era usado como modelo ao longo de muitos anos coleciona tropeços que acabam colocando em cheque o seu nome.

LEIA MAIS: JUVENTUDE ENTRA PARA LISTA DE VEXAMES DO SÃO PAULO NA COPA DO BRASIL

  1. Penapolense (2014) – Pelo Campeonato Paulista daquele ano, enfrentou o Penapolense nas quartas de finais. O time do Morumbi era favorito contra apenas a 13ª classificada na fase anterior, mas durante a partida a história foi completamente oposta e a equipe tricolor empatou com a Penapolense durante o tempo normal e sofreu para manter a igualdade até o fim. Nos pênaltis, Rodrigo Caio foi o vilão e proporcionou a amarga eliminação precoce por 4 a 5.
  2. São Caetano (2007) – O roteiro é parecido, mesmo estádio, mesmo campeonato e novamente o clube se despedia vergonhosamente de uma competição. O time do ABC paulista comandado por Dorival Junior veio ao Morumbi e venceu a partida de virada por 4 a 1 e eliminou a equipe mandante em seus domínios sob o olhar de mais de 45 mil torcedores presentes. Os comandados na época por Muricy Ramalho já tinham más lembranças do “azulão” pois em 2004 foram eliminados no torneio pelo próprio técnico que dirigia a equipe.
  3. Ponte Preta (2013) – Em partida válida pela ida das semi finais da Copa Sul-Americana, o São Paulo foi surpreendido pela Macaca por 3 a 1 em casa e debaixo de chuva via a classificação ir por água abaixo. Com um placar totalmente oposto, o time teria que ganhar por 3 gols de diferença no Estádio Romildo Ferreira em Mogi Mirim, já que pela regra da Conmebol exigia um estádio com mais de 20.000 lugares disponíveis.
  4. Bragantino (2014) – Com o velho problema nas bolas aéreas, o São Paulo novamente era humilhado por um rival paulista em plenos seus domínios. O time tricolor contava com Rogério Ceni, Pato, Ganso e Muricy Ramalho e mesmo criando ótimas chances de golear, viram a frágil zaga falhar e marcar a primeira eliminação do ano. O jogo terminou em 3 a 1 para os visitantes e mais uma eliminação vexatória na Copa do Brasil.
  5. Audax (2016) – O primeiro tropeço do ano veio contra o Audax, que surpreenderia mais tarde e seria vice-campeão do Paulistão perdendo para o Santos. A equipe são-paulina levou o primeiro gol e logo empatou com Calleri e antes do final do primeiro tempo, Ytalo deixou os mandantes na frente. Na volta do intervalo, o time da capital levou mais gols e decretou sua primeira eliminação no ano, que logo mais teria a companhia da eliminação na semi-final da Libertadores para o Atlético Nacional e para o Juventude nas oitavas de finais da Copa do Brasil.
  6. Juventude (2016) – Para completar a lista, a recente eliminação para o Juventude faz o time somar derrotas amargas contra times menores. É a primeira vez que o clube perde para um clube que disputa a Série C do nacional. A derrota no primeiro jogo no Morumbi foi crucial para a saída do time da disputa do inédito título da Copa do Brasil. Os jogadores do time ainda pediram um pênalti aos 50 minutos do segundo tempo que não foi marcado. A vitória por 1 a 0 não foi suficiente mesmo criando chances em um jogo equilibrado e que alterou de domínio em vários momentos da partida. O placar poderia ter sido alterado senão fosse os goleiros Elias e Dênis, de Juventude e São Paulo respectivamente.


Estudante de jornalismo e atualmente setorista do São Paulo no Torcedores.com